Saltar para conteúdo

Notícias

2019-04-22 às 12h01

«Temos que combater o problema do abandono» em todos os níveis de ensino

Ministro da Educação, Tiago Brandão Rodrigues, na apresentação da reconversão do antigo Ministério da Educação para residência universitária, Lisboa, 22 abril 2019 (Foto: José Sena Goulão/Lusa)
O Plano Nacional para o Alojamento no Ensino Superior «é um plano ambicioso, um plano com grande compromisso e que é um esforço coletivo de todo o Governo», disse o Ministro da Educação, Tiago Brandão Rodrigues, na apresentação do projeto de reconversão do antigo edifício-sede do Ministério da Educação, em Lisboa, para residência universitária.

O Ministro sublinhou que «quando se trata de acesso ao ensino superior ninguém fica de fora pelas questões sócio-económicas, pelo facto de virem de longe, pelo facto de serem deslocados». 

Um ponto comum entre os ensinos básico e secundário e superior é «a luta reiterada que fazemos contra o abandono escolar», presente no ensino básico e secundário, mas mais escondido no superior, no qual «muitos estudantes acabam por ir para o mercado de trabalho, muitos acabam por sair do País – temos que combater verdadeiramente esse problema».

Tiago Brandão Rodrigues afirmou que temos de «oferecer vagas aos estudantes e de oferecer uma cama». «Vaga mais cama que permitirá às universidades e aos institutos politécnicos serem mais competitivos quando atraem alunos que socio-economicamente não tem tanta robustez, mas também quando atraem alunos internacionais».

Referindo que «hoje estamos a falar aqui deste edifício emblemático mas podemos também falar de um conjunto de escolas que agora vão ser transformadas em residências, mas também de pousadas da juventude que estavam encerradas e que agora vão fazer parte da oferta», acrescentou que há «outras pousadas de oferta turística que, durante o tempo de pousio da atividade turística nessas cidades, vão servir também o nosso ensino superior».

«Este é um edifício emblemático que recebeu o Ministério da Educação em início dos anos de 1970» e que vai agora receber 600 estudantes do ensino superior que darão uma nova vida a um bairro não só envelhecido como com excesso de escritórios «que fica deserto a partir das oito horas da noite», disse.

Na cerimónia, que foi presidida pelo Primeiro-Ministro António Costa, discursaram ainda os Ministros da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, Manuel Heitor, e das Infraestruturas e da Habitação, Pedro Nuno Santos, e o Secretário de Estado da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, João Sobrinho Teixeira.