Flexibilizar os currículos e reforçar a autonomia escolar é fundamental para gerar inovação - XXI Governo - República Portuguesa

Notícias

2018-03-07 às 12h16

Flexibilizar os currículos e reforçar a autonomia escolar é fundamental para gerar inovação

Roteiro Inovação - flexibilidade curricular e autonomia escolar geram inovação
Primeiro-Ministro, António Costa, e Ministro da Educação, Tiago Brandão Rodrigues, na escola secundária de Rio Tinto, no âmbito do Roteiro Inovação na área da Educação, Gondomar, 7 março 2018
O Primeiro-Ministro António Costa e o Ministro da Educação, Tiago Brandão Rodrigues, visitaram a escola secundária de Rio Tinto, em Gondomar, no âmbito do Roteiro Inovação na área da Educação.

Este é um dos 230 estabelecimentos de ensino nos quais está a ser aplicado o projeto piloto de flexibilização e autonomia curricular, cujo tipo de ensino se distingue do mais convencional pois agrupa, na mesma sala, professores de várias disciplinas, que lecionam ao mesmo tempo, mas de forma quase individualizada.

«Têm uma enorme sorte em poderem participar nesta experiência. A vossa geração vai ter de ser o grande motor da inovação», afirmou o Primeiro-Ministro, no auditório da escola, perante mais de 100 alunos e professores. 

António Costa sublinhou: «Esta experiência da flexibilização e o reforço de autonomia da escola são fundamentais para haja inovação. A inovação gera dinâmica. A alegria que vi nas salas que visitámos dizia tudo do empenho nesta experiência».

No mesmo sentido, o Ministro da Educação referiu que «esta comunidade é rica e inovadora» e «as comunidades educativas que têm estado neste projeto piloto são a prova viva das mais-valias do que foi idealizado».

Tornar a escola mais interessante

O Primeiro-Ministro e o Ministro da Educação visitaram algumas salas de aula para conhecerem o projeto no terreno e ouvir a opinião dos alunos e professores. 

Os alunos referiram que estudar vários assuntos em conjunto torna a escola mais interessante, enquanto os professores realçaram que o objetivo é que todos os alunos compreendam que as disciplinas não são estanques nem desgarradas da realidade.

«A inovação é o motor do desenvolvimento do País», lembrou António Costa, ressalvando – contudo - que «não há inovação se não houver boa educação», pelo que «é fundamental investir na educação, para que a inovação seja um motor do nosso desenvolvimento».

Tiago Brandão Rodrigues realçou que «a transversalidade e a interdisciplinaridade servem, acima de tudo, para podermos melhorar. Para que o sucesso escolar e a inclusão sejam efetivos».

A OCDE está a avaliar o projeto piloto que está a ser desenvolvido em turmas do 5.º, 7.º e 10.º ano, estando em estudo o seu alargamento a mais estabelecimentos de ensino.

Formar a geração para o País de inovação

«O investimento na educação começa no pré-escolar e termina no ensino superior, mas passa por esta fase essencial da vida, que é o ensino básico e secundário», afirmou ainda o Primeiro-Ministro.

Assim, «é crítico e fundamental que, nestes 12 anos de escolaridade, possamos fazer o grande esforço de investimento na geração que vai assegurar o País de inovação», acrescentou António Costa.

A jornada do Roteiro Inovação na área da Educação, inclui uma visita à escola secundária de Santa Maria Maior, em Viana do Castelo, onde será assinado o protocolo da Rede Nacional de Clubes Ciência Viva, e visitada uma mostra de ensino profissional.

No Porto, o Primeiro-Ministro preside à inauguração do centro de excelência em tecnologia do Banco de Investimento Natixis em Portugal, e visita a escola secundária Alexandre Herculano, onde foi assinado o acordo para a requalificação e modernização desta infraestrutura.