Saltar para conteúdo

Notícias

2019-06-29 às 18h29

Ministra da Cultura sublinha «função natural» de expor obras de arte para usufruto do máximo de pessoas

Ministra da Cultura, Graça Fonseca
«Há museus que têm muito acervo que não está a ser exibido, e assim cumpre-se a função natural de permitir que mais pessoas tenham acesso a obras de arte, ao invés de estarem numa cave», afirmou a Ministra da Cultura, Graça Fonseca, em Chaves.

Estas declarações foram feitas durante a assinatura do protocolo que permite ao Museu de Arte Contemporânea Nadir Afonso receber uma exposição permanente de obras do Museu Nacional do Chiado e duas temporárias entre 2019 e 2020 em Chaves.

«As obras que estão atualmente fechadas são para ser vistas, conhecidas, investigadas e trabalhadas com as escolas, através de projetos educativos», sublinhou a Ministra, realçando a obra de arte que é o próprio Museu de Arte Contemporânea Nadir Afonso, da autoria de Siza Vieira.

Objetivos do protocolo

Graça Fonseca disse ainda que, «até ao final do terceiro trimestre de 2020, está prevista a identificação das obras que se encontram em reserva no Museu Chiado e que devam ser objeto de depósito para exposição de longa duração no Museu Nadir Afonso, bem como a definição das condições técnicas para o efeito e celebração do respetivo protocolo de depósito».

«Este protocolo visa promover uma estratégia cultural assente na descentralização e na desconcentração territorial e administrativa, de modo a incentivar um mais amplo acesso à cultura e uma maior proximidade às populações», acrescentou a Ministra.

Outra meta do protocolo é reforçar uma política cultural sustentada e de proximidade através do acesso aos cidadãos de obras de arte que não se encontram permanente ou habitualmente disponíveis.

Graça Fonseca concluiu, lembrando os pilares da estratégia do Governo para as coleções nacionais, ou seja, o aumento da projeção das coleções através de complementaridades expositivas, o estímulo à criação artística e respetiva articulação com a valorização do território, e o reforço da programação, conhecimento e investigação no âmbito da criação artística contemporânea.