Saltar para conteúdo

Notícias

2020-11-27 às 11h16

«Não é admissível desistir de proteger a vida em função da idade»

O Primeiro-Ministro António Costa afirmou que «não é admissível desistir de proteger a vida em função da idade», porque «as vidas não têm prazo de validade», rejeitando assim qualquer possibilidade de todos os maiores de 75 anos sem comorbilidades ficarem de fora do acesso prioritário à vacina contra o novo coronavírus, noticiada por alguns órgãos de comunicação social.

Numa mensagem na sua conta de Twitter e numa breve declaração à agência Lusa, o Primeiro-Ministro afirmou que «há critérios técnicos que nunca poderão ser aceites pelos responsáveis políticos».

O Gabinete da Ministra da Saúde, Marta Temido, emitiu também um esclarecimento no qual afirma «que a estratégia de vacinação contra a Covid-19, em preparação pela Direção-Geral da Saúde (DGS), ainda não foi discutida com o Ministério da Saúde nem validada politicamente», pelo que as notícias da imprensa «estão incluídas num documento meramente técnico e são parcelares e desatualizadas».

O Governo criou uma equipa de missão para coordenar todo o plano de vacinação contra a Covid-19, desde a estratégia de vacinação à operação logística de armazenamento, distribuição e administração das vacinas, num despacho publicado no Diário da República e assinado pelos Ministros da Defesa Nacional, Administração Interna e Saúde.

No dia 19 de novembro, no final do Conselho Europeu, o Primeiro-Ministro anunciou que Portugal estava preparado para comprar cerca de 16 milhões de doses de três vacinas contra a Covid-19.

As vacinas serão distribuídas simultaneamente em todos os Estados-membros e nas mesmas condições, e para Portugal «já estão definidas as doses a comprar» das três vacinas que estão a entrar em produção: «numa 6,9 milhões, em outra 4,6 milhões e, na terceira, 4,5 milhões».