Segurança traz confiança para investir - XXI Governo - República Portuguesa

Notícias

2017-09-29 às 16h10

Segurança traz confiança para investir

Num almoço organizado pela Câmara de Comércio e Indústria Luso-Espanhola com empresários, em Lisboa, a Ministra da Administração Interna, Constança Urbano de Sousa referiu que «Portugal é um dos países mais seguros do mundo, e - desde 2008 - temos registado uma descida muito sustentada e contínua da criminalidade», tanto geral, como violenta e grave.

«Em Portugal, há um clima de segurança e de tranquilidade pública que tem permitido o desenvolvimento económico do País e o investimento, tendo estas duas vertentes um enorme valor acrescentado em termos de competitividade e para a recuperação económica e financeira», disse ainda a Ministra.

Constança Urbano de Sousa referiu também que o clima de segurança contribui para que Portugal se consolide como um destino preferencial de fluxo de pessoas: «Só em 2016, o Serviço de Estrangeiros e Fronteiras controlou mais de 15 milhões de pessoas, um aumento de um milhão em relação a 2015».

«O número de residentes estrangeiros tem aumentado, situando-se atualmente nas 400 mil pessoas, das quais mais de 80% fazem parte da população ativa», com preponderância na faixa etária dos 20 aos 39 anos, acrescentou a Ministra.

Constança Urbano de Sousa lembrou a importância da atribuição de autorizações de residência para investimento (vistos dourados) que totalizaram quase mil milhões de euros de investimento em 2016.

Combate ao terrorismo e criminalidade transnacional

Na área do combate ao terrorismo e à criminalidade transnacional e organizada, a Ministra destacou a importância da partilha de informação e cooperação entre as forças e serviços de segurança.

«Eixo vital para a prevenção e combate destes fenómenos é a cooperação e a partilha de informação. Embora Portugal nunca tenha sido palco de nenhum atentado terrorista e mantém, de acordo com uma avaliação diária, o nível moderado de ameaça», disse Constança Urbano de Sousa, referindo o Ponto Único de Contacto, que agrega todas as estruturas de cooperação policial existentes.

A Ministra concluiu, realçando as «excelentes, mas discretas relações entre Portugal e Espanha, que se desenrolam através de um diálogo contínuo e de uma cooperação muito estruturada».