Saltar para conteúdo

Notícias

2019-07-30 às 20h03

Produção de bivalves em Portugal poderá atingir as 20 mil toneladas

Ministra do Mar, Ana Paula Vitorino, no centro biomarinho da Nazaré, Nazaré, 30 julho 2019
A Ministra do Mar, Ana Paula Vitorino, afirmou que a construção de uma maternidade de bivalves, no porto da Nazaré, vai contribuir para que o setor da aquacultura atinja, até final de 2020, uma produção de 20 mil toneladas.

Ana Paula Vitorino falava durante uma visita ao centro biomarinho da Nazaré, da empresa Oceano Fresco, onde afirmou que este investimento «vem colmatar uma lacuna» ao nível da produção de sementes de ameijoa e que são atualmente «compradas em Espanha» e «alargar a cadeia de valor da aquacultura».

A Ministra relembrou que, durante anos, este centro teve «uma produção estável de 10 mil toneladas» mas que sofreu, entretanto, «um desenvolvimento notável nos últimos três anos» e onde a nova maternidade surge como uma mais valia em termos económicos e «criação de emprego altamente qualificado».

A maternidade de bivalves, pioneira no País, vai produzir, em tanques com água do mar da Nazaré, sementes de ameijoa ‘rainha’ e ‘macha’ até ao tamanho de três milímetros, para colmatar os baixos níveis de produção natural destas espécies. 

Atualmente em fase de construção, a maternidade deverá iniciar a produção no primeiro trimestre de 2020 e gerar, anualmente, 200 milhões de sementes de ameijoa e ostras. As sementes serão depois transferidas para uma área de cultivo em mar aberto, ao largo de Alvor, onde até ao final do ano será instalado um viveiro com capacidade para a engorda de 1600 toneladas.

A maternidade representa um investimento de 3,4 milhões de euros, dos quais 1,1 milhões de euros são comparticipados pelo programa Mar 2020. O viveiro de Alvor terá um custo de três milhões e uma comparticipação de 1,5 milhões do mesmo programa. 

As duas instalações criarão, no total, duas dezenas de empregos, parte dos quais qualificados e virados para a investigação.
Tags: mar, empresas
Áreas:
Mar