Saltar para conteúdo

Notícias

2019-01-18 às 19h24

Primeiro-Ministro destaca importância do investimento nos cuidados de proximidade

Primeiro-Ministro António Costa na inauguração do Centro de Saúde e Serviço de Urgência Básica de Vila Nova de Foz Côa, 18 janeiro 2019 (Foto: Miguel Pereira da Silva/Lusa)
O Primeiro-Ministro António Costa sublinhou a importância do investimento na melhoria da rede de cuidados continuados e nos cuidados de saúde primários para garantir que funcionem como serviços públicos de proximidade nos territórios do interior.

Em Vila Nova de Foz Côa, na inauguração do Centro de Saúde e Serviço de Urgência Básica, António Costa realçou que o Serviço Nacional de Saúde «já não pode ser só o grande hospital, mas sim uma porta de proximidade que leva os cuidados de saúde, cada vez mais diversificados a cada uma das pessoas».

Os cuidados continuados integrados e os cuidados de saúde primários surgem, neste contexto, como as prioridades do investimento: «Porque hoje o Serviço Nacional de Saúde contribuiu para alargarmos a nossa esperança de vida e ao vivermos mais anos, precisamos de melhores cuidados de saúde, e hoje, uma população mais envelhecida precisa de mais cuidados continuados, sendo esta uma linha de investimento muito importante, onde o Governo trabalha em parceria com as Misericórdia, com Instituições Particulares de Solidariedades Social [IPSS] ou as mutualidades».

O Primeiro-Ministro referiu que os cuidados de proximidade fazem a diferença e é por isso que «ao longo dos últimos anos se tem investido da melhoria das unidades de cuidados de saúde primários».

O Centro de Saúde e Serviço de Urgência Básica de Vila Nova de Foz Côa representa um investimento de cerca de 1,5 milhões de euros e está contemplado no plano de construção de 43 novos centros e a requalificação de outros 43.

«Temos estado a alargar as Unidades de Saúde Familiar, para chegarmos à centena, como nos propusemos fazer nestes quatros anos de Governo. E este ano vamos conseguir cumprir este objetivo», afirmou António Costa, salientando que passará a haver 112 unidades do género.

Numa cerimónia em que esteve acompanhado pela Ministra da Saúde, Marta Temido, o Primeiro-Ministro frisou ainda a criação de novas valências nos centros de saúde e o aumento do número de médicos de família como objetivos a ter em conta.