Saltar para conteúdo

Notícias

2019-06-04 às 14h34

Policia Judiciária e Marinha apreendem uma tonelada de droga em operação no oceano Atlântico

Ministro da Defesa Nacional, João Gomes Cravinho, e Ministra da Justiça, Francisca Van Dunem, a bordo do Navio de Patrulha Oceânico Setúbal, Almada, 4 junho 2019
A Ministra da Justiça, Francisca Van Dunem, afirmou que a recente apreensão de uma tonelada de cocaína em embarcação no oceano Atlântico foi uma das missões mais arriscadas no combate ao tráfico de droga.  
 
«Foi uma das operações mais arriscadas ao nível do combate à droga e tem de marcante a demonstração da nossa capacidade para combater este tipo de crime e para pensar uma mensagem aos traficantes», referiu Francisca Van Dunem.
 
A Ministra falava na Base Naval de Lisboa, no Alfeite, a bordo do Navio Patrulha Oceânico (NPO) Setúbal, que teve como primeira missão a localização daquela embarcação de pesca brasileira, a cerca de 520 quilómetros a sul de Cabo Verde e a 4000 quilómetros de Lisboa. 

A operação, designada «Areia Branca», permitiu a apreensão de 1102 quilos de cocaína, acondicionados em 50 sacos de serapilheira, e resultou na detenção de sete homens de nacionalidade brasileira.
 
«Nunca houve nenhuma operação em que tivéssemos ido tão longe e só foi possível fazer porque há um trabalho conjunto entre a Polícia Judiciária, a Marinha e a Força Aérea, já de longos anos. Só podíamos fazer um trabalho desta envergadura, a esta distância, se houvesse uma grande articulação entre as várias instituições» disse ainda.
 
A Ministra referiu também que este tipo de missões de cooperação são um «caminho que tem de ser feito cada vez mais», porque as rotas de tráfico se têm alterado.
 
O Ministro da Defesa Nacional, João Gomes Cravinho, referiu, por sua vez, que a operação «Areia Branca» permitiu pôr o fim a vários outros crimes.
 
«Esta operação vale por aquilo que é o resultado imediato, a apreensão de mais de uma tonelada de cocaína, mas vale também por aquilo que representa em termos da nossa estratégia de combate ao narcotráfico, que está associado a outras formas de criminalidade, incluindo tráfico de armas e tráfico de pessoas. Há toda uma cadeia de ilícitos que estamos a interromper», disse.
 
João Gomes Cravinho referiu também que Portugal tem uma responsabilidade acrescida no combate a este tipo de crime devido à sua posição geográfica, próxima dos continentes americano e africano e que o País está disponível para assumi-la.
 
Relativamente à cooperação entre a Marinha e a Polícia Judiciária, o Ministro afirmou que «já tem uma duração longa» e que se manifestou agora «através desta missão muito bem sucedida». 
 
Existe também uma «tradição de cooperação com a Força Aérea e com o Exército» e «as Forças Armadas estão a cumprir uma parte da sua missão, quando colaboram desta forma com a PJ», disse ainda.

Esta é a primeira missão do NPO Setúbal, que foi construído em Viana do Castelo e entregue à Marinha em dezembro passado.