Saltar para conteúdo

Notícias

2019-08-02 às 16h55

Navegabilidade fluvial no Tejo vai diminuir trânsito e potenciar redução da emissão de gases

Ministra do Mar, Ana Paula Vitorino, na da apresentação do Estudo de Mercado, de Avaliação Económico-Financeira e de Operacionalização da Navegabilidade do Estuário do Tejo, Lisboa, 2 agosto 2019
A Ministra do Mar, Ana Paula Vitorino, afirmou que a retoma da movimentação fluvial de mercadorias vai contribuir para uma redução significativa da emissão de gases com efeito de estufa e permitir «descongestionar a malha urbana de Lisboa».

Em Lisboa, no final da apresentação do Estudo de Mercado, de Avaliação Económico-Financeira e de Operacionalização da Navegabilidade do Estuário do Tejo, a Ministra destacou que esta possibilidade garante «uma alternativa eficaz ao transporte ferroviário e rodoviário nas entradas e saídas do porto de Lisboa».

Ana Paula Vitorino referiu que este transporte não está ainda «regulado nem tem alinhamentos que o permitam fazer com regularidade» mas reiterou que esta alternativa diminuirá o impacto ambiental e poderá vir a retirar praticamente uma centena de camiões da estrada por cada desembarque.

O objetivo é que o transporte de mercadorias no rio Tejo chegue à plataforma logística de Castanheira do Ribatejo, com funcionamento previsto até ao final de 2020, «mas para fazer o transporte efetivo de mercadorias, em condições de segurança, alinhamento e profundidade adequada, é necessário fazer as dragagens para se aprofundar o rio e as barcaças poderem navegar».