Modernização da Linha do Norte é obra simbólica - XXI Governo - República Portuguesa

Notícias

2018-06-11 às 20h37

Modernização da Linha do Norte é obra simbólica

Ministro do Planeamento e das Infraestruturas, Pedro Marques, na conclusão da renovação integral de via ferroviária entre Alfarelos e Pampilhosa, Vila Nova de Gaia, 11 junho 2018 (foto: José Coelho/Lusa)
O Ministro do Planeamento e das Infraestruturas, Pedro Marques, destacou o simbolismo da conclusão da renovação integral de via entre Alfarelos e Pampilhosa, na Linha do Norte, lembrando que o programa Ferrovia 2020 começou com esta obra.

«É uma obra para nós muito importante e, num certo sentido, simbólica. Começámos aqui, há cerca de dois anos o Ferrovia 2020, que hoje o programa está um pouco por toda a rede ferroviária», disse Pedro Marques, numa declaração à imprensa na estação ferroviária de Alfarelos, concelho de Soure, distrito de Coimbra.

O Ministro frisou que o programa Ferrovia 2020 tem «a ambição de intervir em mais de metade da rede ferroviária nacional» e expressou satisfação pelo regresso a Alfarelos para assinalar a conclusão da primeira fase da intervenção naquele troço de 35 quilómetros em via dupla, um investimento de 30,7 milhões de euros, que passou, entre outros trabalhos, pela renovação integral da superestrutura da via, alteamento e prolongamento das plataformas de embarque em três estações e cinco apeadeiros, estabilização de taludes e colocação de vedações. 

Obras aumentam segurança e fiabilidade

Pedro Marques disse que a obra agora concluída «é talvez difícil de perceber pelo cidadão comum, no sentido em que o cidadão só beneficia dela pelo facto do comboio não ter de abrandar nesta parte da rede entre Alfarelos e a Pampilhosa». 

«Mas é uma obra de enorme significado porque aumenta muito a segurança da circulação de comboios, permite manter as velocidades de circulação no máximo possível, permite suprimir passagens de nível, portanto é uma questão de segurança e de fiabilidade para as nossas populações na rede ferroviária nacional», acrescentou.

O Ministro disse ainda que nem todas as intervenções previstas no programa Ferrovia 2020 estarão concluídas até final desse ano.

«A referência a 2020 é, não só, porque as obras estarão todas no terreno até essa altura, no essencial, mas sobretudo porque tem a ver com a ligação ao Portugal 2020. São obras financiadas pelo Portugal 2020, que têm como sua elegibilidade o financiamento até 2023», explicou. 

Obras nos próximos anos entre Gaia e Ovar

A renovação do troço Espinho-Gaia, também na linha do Norte, avaliada em 49 milhões de euros, começará dentro de um ano, estimando-se que termine 18 meses depois, disse o vice-presidente da Infraestruturas de Portugal, Carlos Fernandes.

O anúncio foi feito no lançamento da oba de renovação integral da via, na estação ferroviária de Espinho, presidida pelo Ministro do Planeamento e das Infraestruturas, Pedro Marques, e que contou com a presença de autarcas da região, nomeadamente do presidente da Área Metropolitana do Porto, Eduardo Vítor Rodrigues.

À renovação do troço Espinho-Gaia somam-se a sinalização eletrónica e telecomunicações entre Espinho e Gaia e a renovação integral da via Valadares–Gaia, que já estão em curso, estando o lançamento da modernização do troço Ovar-Espinho, avaliada em 52 milhões de euros, prevista para o segundo semestre de 2019.

Maior investimento ferroviário do último século

O Ministro recordou que «a Linha do Norte é a coluna vertebral do sistema ferroviário» e «é uma das grandes prioridades do Ferrovia 2020».

«O investimento público na ferrovia é uma grande prioridade do Governo e materializámo-lo com o programa Ferrovia 2020, investindo cerca de 2 000 milhões de euros com comparticipação comunitária», acrescentou.

Pedro Marques referiu ainda a importância do «maior investimento do século em Portugal, que é a construção de linha nova entre Évora e Elvas», uma vez que não se constroem 100 quilómetros de linha nova no País há mais de 100 anos, um investimento «absolutamente necessário para os portos de Sines, Setúbal e Lisboa terem uma ligação competitiva a Espanha».