Saltar para conteúdo

Notícias

2019-07-24 às 21h56

Ministro da Defesa Nacional lança concurso de ideias para futuro Campus da Defesa

Ministro da Defesa Nacional, João Gomes Cravinho, no lançamento do concurso de ideias para Campus da Defesa, Lisboa, 24 julho 2019
Foi lançado o concurso de ideias para o futuro Campus da Defesa, que vai funcionar no histórico Regimento de Lanceiros 2, situado entre o Palácio da Ajuda e o Palácio de Belém, em Lisboa.

O Ministro da Defesa Nacional, João Gomes Cravinho, afirmou, durante a cerimónia de lançamento do concurso, que o objetivo é atribuir às estruturas e aos funcionários da Defesa Nacional «um espaço funcional e moderno, com as melhores condições de trabalho e perfeitamente integrado com a memória do edifício histórico que o acolherá e em harmonia com a comunidade e o espaço em que se insere, com especial atenção às questões ambientais».

A ambição é que esta «nova sede da Defesa Nacional seja um modelo a seguir por toda a Administração Pública» e que seja entendida como um projeto de interesse nacional e uma «fusão entre modernidade e história», em que a identidade é preservada para «dotar a Defesa Nacional de uma estrutura polivalente, moderna e condigna» de uma área governativa da soberania, disse.

O projeto Campus da Defesa será financiado pela alienação do atual edifício, no Restelo, que alberga atualmente os serviços da Defesa Nacional e o Estado Maior-General das Forças Armadas, sendo portanto financeiramente neutro.

O caderno de encargos deste projeto - publicado na plataforma eletrónica de compras públicas (acinGov) - refere que as propostas devem: respeitar os princípios de sustentabilidade ambiental e eficiência energética do edifício; salvaguardar as exigências de segurança específicas da Defesa Nacional; respeitar a integração equilibrada no espaço da cidade em que se insere; incluir soluções de conciliação da vida profissional e pessoal, que valorizem as pessoas, consideradas os recursos mais importantes de qualquer instituição.

O Minsitro afirmou ainda que «poder juntar num mesmo espaço uma parte muito significativa dos organismos e instituições que compõem o Universo da Defesa Nacional simboliza esse desejo de estimular a eficiência e a criação de sinergias que advêm da partilha de espaços comuns». 
 
Um espaço inovador

Não obstante as orientações da Direção-Geral de Património Cultural, no que respeita à preservação do edificado, o futuro Campus da Defesa será caracterizado por: eficiência energética nos sistemas de iluminação e climatização; sustentabilidade, através do reaproveitamento das águas das chuvas para rega ou serviços sanitários; sistemas de segurança, incluindo intrusão, incêndios, videovigilância e controlo de acessos; modernas redes de comunicações; instalações técnicas adequadas às classes de segurança de cada zona do edifício.

As instalações terão capacidade para albergar 1300 colaboradores, distribuídos por 500 gabinetes. Prevêem-se também 40 salas de reunião, um auditório principal, com capacidade para 300 pessoas, e um auditório secundário para 100 pessoas. O refeitório terá capacidade para 300 pessoas e o bar para 100 pessoas.
 
Para além destas estruturas diretamente relacionadas com a missão da área governativa da Defesa Nacional estão previstas outras como creche, minimercado, banco, restaurante, ginásio, balcão único de atendimento (interno e ao público), vários espaços para refeição própria, arquivo, armazéns, salão nobre, núcleo museológico, biblioteca, mediateca, centro de dados, salas de vídeo-teleconferência segura, núcleo de línguas, oficinas de manutenção, gabinete de tecnologias de informação e comunicação, gabinete de segurança e gabinete médico.