Saltar para conteúdo

Notícias

2019-02-19 às 19h23

Governo investe mais 591 milhões de euros em regadios

O Ministro da Agricultura, Florestas e Desenvolvimento Rural, Luís Capoulas Santos, afirmou  que, até 2023, vão ser investidos 591 milhões de euros em regadios, para tornar o setor mais competitivo e aumentar a sua capacidade exportadora.

Capoulas Santos falava durante a assinatura do auto de consignação da empreitada da Rede de Rega do Bloco de Sabariz-Cabanelas, em Vila Verde, que tem um custo estimado de 8,1 milhões de euros, incluindo a recuperação de caminhos e a rede de drenagem.

O Ministro disse também que, atualmente, estão aprovados cerca de 200 projetos de pequenos, médios e grandes regadios, num investimento de 311 milhões de euros e que estão previstos mais 280 milhões de euros para ampliar, em mais 100 mil hectares, a rede de regadios.

«O objetivo é dotar o País de mais condições para uma economia competitiva que, no contexto climático em que vivemos, é praticamente impossível sem disponibilidade de água», disse Capoulas Santos.

Incentivar a exportação

Relativamente às exportações no setor da agricultura - e para as quais o regadio é um incentivo - o Ministro afirmou que, nos últimos três anos, foram abertos mais 53 mercados para países terceiros» fora da União Europeia, permitindo a exportação de mais 200 produtos portugueses «hortícolas, frutícolas, carne, produtos transformados».

Capoulas Santos disse também que estão atualmente «em negociação» mais cerca de meia centena de mercados, entre os quais a Índia e a China, para mais duas centenas de produtos portugueses, como fruta, láteos e carne de suíno.

Numa altura em que o País está a atingir recordes de negociação em vários setores, Também os produtos hortofrutícolas ultrapassaram os 1500 milhões de euros. 

O Ministro referiu ainda que Portugal tem «um enorme potencial» para aproveitar as «condições únicas do ponto de vistas climático», o que nos permite ter «legumes com sabores e colorações que são dificilmente batidos nos mercados internacionais».