Saltar para conteúdo

Notícias

2019-05-30 às 17h25

Governo destaca progresso nos profissionais de saúde, no financiamento e no acesso ao SNS

Ministra da Saúde, Marta Temido, durante a intervenção numa interpelação ao Governo sobre o estado do setor em Portugal na Assembleia da República, Lisboa, 30 maio 2019 (Foto: Miguel A. Lopes/Lusa)
A Ministra da Saúde, Marta Temido, destacou o progresso alcançado nos últimos anos em três áreas centrais do Serviço Nacional de Saúde: o número de profissionais de saúde, o financiamento e o acesso.
 
Na Assembleia da República, numa interpelação ao Governo sobre a «Situação da Saúde em Portugal», a Ministra realçou que «os serviços públicos de saúde são um dos mais poderosos instrumentos de construção de uma sociedade mais coesa» e enumerou os sinais positivos da tendência recente.
 
«Em menos de quatro anos, comparando dezembro de 2015 com abril de 2019, aumentámos o número de profissionais do Serviço Nacional de Saúde em 10800 efetivos», disse, referindo que há mais 1800 médicos especialistas, mais 4400 enfermeiros e mais 1000 técnicos.
 
Marta Temido sublinhou que o Serviço Nacional de Saúde tem hoje «a maior força de trabalho de sempre» e acrescentou que os 130800 profissionais que em abril de 2019 trabalhavam no Serviço Nacional de Saúde «já não estão sujeitos a redução de salários e a majorações por trabalho suplementar e horas incómodas, à imposição de um horário de 40 horas semanais e ao congelamento das suas carreiras.
 
Financiamento e acesso ao Serviço Nacional de Saúde
 
No que diz respeito ao financiamento, a Ministra afirmou que em menos de quatro anos o orçamento do Serviço Nacional de Saúde «cresceu 1400 milhões de euros». «Além disso, como parte da estratégia de reequilíbrio financeiro no setor da saúde, desde o início de 2018 já foram realizados reforços de capital e adiantamentos aos contratos-programa de mais de 1500 milhões de euros para pagamento de dívida», disse.
 
A Ministra referiu também que durante o mesmo período já foram construídas de raiz ou remodeladas mais de 50 unidades de cuidados de saúde primários e remodelados 22 serviços de urgência hospitalares.
 
Marta Temido realçou que «em menos de quatro anos o número de portugueses com médico de família reduziu-se em mais de 300 mil» e referiu que, comparando dezembro de 2018 com dezembro de 2015, foram realizadas mais 589 mil consultas médicas de saúde nos cuidados de saúde primários, mais 184 mil consultas médicas nos cuidados e hospitalares e mais 18 mil cirurgias.
 
Relativamente aos tempos máximos de resposta garantidos, Marta Temido afirmou que «permanece como um dos maiores desafios ao desempenho do Serviço Nacional de Saúde», declarando que o Governo vai continuar a trabalhar com as equipas de gestão de todas as unidades para que os tempos sejam respeitados e, em especial, para que no final de 2019 nenhum utente do Serviço Nacional de Saúde tenha tempos de espera superiores a um ano.
 
A Ministra da Saúde sublinhou também a urgência de reinscrever a preocupação com a produtividade e a eficiência da gestão e do trabalho no Serviço Nacional de Saúde. «Precisamos de fazer mais e, sobretudo, precisamos de fazer melhor», disse.