Saltar para conteúdo

Notícias

2019-05-29 às 17h45

Comércio com História com importância «muito relevante» para o turismo

Ministro Adjunto e da Economia, Pedro Siza Vieira, visita Casa Pereira, no âmbito da plataforma «Comércio com História», Lisboa, 29 maio 2019 (DR)
Ministra da Cultura, Graça Fonseca, na apresentação da plataforma «Comércio com História», Lisboa, 29 maio 2019 (DR)
«Preservar estes espaços de cultura também passa por promover o turismo de uma forma diferente, por arranjar formas de diferenciar o País no panorama global, para chegar aos estrangeiros que queremos atrair para Lisboa e para as outras cidades», afirmou a Ministra da Cultura, Graça Fonseca, referindo-se às lojas históricas.

Estas declarações foram feitas na apresentação da plataforma «Comércio com História», em Lisboa, a que se seguiu a visita a três lojas históricas no Chiado. Estiveram ainda presentes os Ministros da Presidência e Modernização Administrativa, Mariana Vieira da Silva, e Adjunto e da Economia, Pedro Siza Vieira, e os Secretários de Estado Adjunto e da Modernização Administrativa, Luís Goes Pinheiro, e da Defesa do Consumidor, João Torres.

«A dimensão cultural, de identidade e de história é extraordinariamente importante, mas a importância disto para o turismo é muito, muito relevante», sublinhou a Ministra. Neste âmbito do turismo, a Direção-Geral das Atividades Económicas está ainda a desenvolver uma aplicação móvel que terá como principal objetivo identificar todos os estabelecimentos que estão geolocalizados, utilizando essa informação para fazer percursos turísticos. 

Oferta diferenciada das lojas históricas

«Os estabelecimentos comerciais históricos, de porta aberta para a rua, são elementos essenciais da nossa memória coletiva e de caracterização da vivência urbana», disse Pedro Siza Vieira, referindo que esta Plataforma visa promover e divulgar estes espaços.
O Ministro acrescentou: «Para além do valor comercial, estes estabelecimentos têm capacidade de projetar internacionalmente as cidades e o País, uma vez oferecem coisas que são únicas».

«Este tipo de estabelecimentos são mais do que unidades empresariais, uma vez que oferecem à comunidade, à cidade e ao mundo valores que são muito superiores àqueles que a simples vivência comercial pode proporcionar», afirmou Pedro Siza Vieira.

Preservação das lojas históricas

«Estão previstos benefícios fiscais, proteção ao nível do regime do empresário que é arrendatário do espaço onde está instalado, reconhecimento da modernização dos estabelecimentos, sem perder de vista as características únicas que os distinguem», referiu o Ministro, lembrando a lei que reconhece os estabelecimentos e entidades de interesse histórico e cultural.

Sob o lema «Portas abertas para o futuro», a plataforma «Comércio com História» reúne atualmente, 172 lojas e entidades dos municípios de Lisboa, Porto, Coimbra, Fundão e Funchal. Este projeto piloto inspirou-se no programa Lojas com História, criado pela Câmara de Lisboa, em 2015.

Integrado no programa Simplex+, «Comércio com História» deve alargar-se a todo o território nacional. Mais informações sobre «Comércio com História» disponíveis em www.comerciocomhistoria.gov.pt