Saltar para conteúdo

Notícias

2023-06-23 às 13h20

Governo está a trabalhar para posicionar o País na transformação energética

Ministro da Economia e do Mar, António Costa Silva, no protótipo do carro autónomo da Portugal autocluster, Oliveira de Azemèis, 23 junho 2023
O Governo está «a fazer um esforço titânico para articular novas ferramentas e novos projetos para posicionar o País nesta transformação energética», na qual Portugal «tem condições para ser um protagonista fundamental», devido a trunfos como as minas de lítio e a capacidade de gerar energia renovável, disse o Ministro da Economia e do Mar, António Costa Silva.

O Ministro, que discursava no encerramento da sessão de apresentação das conclusões do projeto «Portugal Auto Cluster for the future» em Oliveira de Azeméis, afirmou que, a par da transição energética, a indústria automóvel e de componentes de automóvel deve também ser um protagonista fundamental nesta transição, se tiver capacidade de fixar projetos, como o fabrico de veículos elétricos em território nacional.

«Vamos ter um pacote dedicado a esses grandes projetos, mobilizando aquilo que resta dos empréstimos no âmbito do Plano de Recuperação e Resiliência da União Europeia», disse, acrescentando que novos pacotes serão anunciados em breve.

«Queremos que as agendas estejam o mais depressa possível no terreno para continuar todo este trabalho» através de «um pacote para os projetos estratégicos na área da mobilidade, fabricação de baterias e produção de cabos elétricos». 

Se a indústria e a investigação assumirem o projeto, «eventualmente a nossa indústria de componentes estará mais bem posicionada do que nunca para continuar o seu desenvolvimento e ser cada vez mais competitiva e um pilar seguro da economia do nosso País», referiu.

O projeto Portugal Auto Cluster for the future (PAC), que reuniu 21 entidades - nove industriais e 12 do sistema científico e tecnológico nacional – dedicou-se ao desenvolvimento de novos conceitos e arquiteturas de veículos, dos seus interiores, estruturas, exteriores, sensorização, conectividade e novos processos de fabrico tendo por base novas tecnologias de produção.

Este projeto, com um investimento elegível de oito milhões de euros, durante três anos, é de grande importância para assegurar a competitividade da indústria automóvel e da indústria de componentes automóveis em Portugal.