Saltar para conteúdo

Comunicados

2023-12-08 às 11h45

Portugal assume compromisso europeu no âmbito do "EU Chips Act"

A Estratégia Nacional para os Semicondutores foi ontem aprovada em Conselho de Ministros, estabelecendo objetivos e eixos estratégicos que promovem o crescimento do setor em Portugal, mobilizando e maximizando a participação portuguesa no programa europeu "EU Chips Act", potenciando assim novas oportunidades de cooperação institucional, industrial e de investigação, e contribuindo para o desenvolvimento de tecnologias inovadoras e competitivas no mercado internacional. 

Os semicondutores são a base material dos circuitos integrados ("chips"), elementos essenciais para a construção de produtos digitais utilizados em atividades quotidianas como o trabalho, a educação e o entretenimento, para aplicações críticas em automóveis, comboios, aeronaves e satélites, cuidados de saúde e automação, bem como para o funcionamento de infraestruturas essenciais de energia, mobilidade, dados e comunicações. São também elementos cruciais para as tecnologias emergentes, como a inteligência artificial, realidade aumentada e virtual, comunicações móveis 5G/6G, bem como a Internet das Coisas. 

Com a procura global por chips a acelerar, prevendo-se uma duplicação até ao final da década e o ultrapassar da cota de mercado deste setor para um trilião de dólares, os semicondutores estão no centro de interesses geoestratégicos e da corrida tecnológica mundial. As principais economias empenham-se assim em garantir o desenvolvimento e fornecimento de chips avançados, reconhecendo que isso condiciona a sua capacidade de atuação nos setores económico, industrial, militar e na transformação digital. 

Baseado no panorama nacional de investigação e desenvolvimento na área dos semicondutores, bem como nas valências empresariais, industriais e produtivas presentes em Portugal, a Estratégia Nacional para os Semicondutores tem como objetivos a capacitação de Portugal no setor da microeletrónica e semicondutores, garantindo uma contribuição para a resiliência conjunta da União Europeia e uma maior autonomia estratégica, o envolvimento e promoção da indústria no processo de desenvolvimento estratégico, assim como a potenciação do sistema científico e tecnológico nacional, estabelecendo linhas estratégicas de ação em áreas inovadoras.

A Estratégia define ainda três eixos de ação, nomeadamente, o reforço da formação especializada e competências específicas na área da microeletrónica e semicondutores, a expansão do ecossistema nacional de desenho de chips e encapsulamento avançado, e o aumento da transferência tecnológica, em áreas emergentes, promovendo uma abordagem "do laboratório para a fábrica".
Tags: tecnologia