Saltar para conteúdo

Notícias

2020-06-24 às 11h53

Preparar as Forças Armadas para os desafios da próxima década «é uma prioridade»

Ministro da Defesa Nacional, João Gomes Cravinho, e Secretários de Estado na Comissão de Defesa Nacional, Assembleia da República, 24 junho 2020
O Ministro da Defesa Nacional, João Gomes Cravinho, afirmou que «preparar as nossas Forças Armadas para os desafios da próxima década» é uma prioridade e enumerou os dossiers que estão em curso:

«Estamos a trabalhar numa estratégia da defesa nacional para o Espaço. Estamos a rever a Resolução do Conselho de Ministros sobre a Base Tecnológica e Industrial de Defesa e a promover ativamente a participação da indústria nacional nos projetos europeus, e contamos já com o sucesso de seis entidades portuguesas a participar em projetos aprovados no plano europeu», disse, numa audição regimental da Comissão de Defesa Nacional, na Assembleia da República.

João Gomes Cravinho referiu que «é para estes objetivos que concorrem os esforços do Governo, para tornar a participação do Estado na Economia da Defesa mais adequada às novas realidades no setor» e que a «finalização do processo de criação da nova holding da Defesa é um passo que estamos prestes a concluir, no final desta semana, e que visa tornar a nossa ação mais coerente e mais eficiente».

Reestruturação das Participações Públicas

Ainda no âmbito da economia de Defesa, o Ministro disse que a reestruturação das Participações Públicas «contribui para dois objetivos fundamentais do Programa do Governo: assegurar a qualidade e o controlo da despesa pública; e consolidar o papel do Estado na gestão das participações públicas no setor».

Para João Gomes Cravinho «este passo representa o reforço de um centro público de decisão empresarial que permitirá alavancar os novos instrumentos financeiros, nacionais e europeus, assegurando a racionalização e viabilização económica da gestão dessas participações. Esta é  uma exigência crucial no atual momento que atravessamos, e permite-nos garantir que a Economia da Defesa será um pilar na recuperação da economia portuguesa, no curto-prazo, e ao longo da próxima década».

Sector representa um volume de faturação agregado superior a 1,7 mil milhões de euros

O Ministro afirmou também que «os setores da indústria da Aeronáutica, Espaço e Defesa representam já um volume de faturação agregado superior a 1,7 mil milhões de euros. Os valores de exportação rondam os 90% e mobilizam mais de 18.500 recursos humanos». 

João Gomes Cravinho destacou o facto do Estado deter «participações em empresas que asseguram, já hoje, 2600 empregos, e um volume de negócios em torno dos 350 milhões de Euros, sendo o maior conglomerado do setor». 

«Estes dados demonstram a seriedade e responsabilidade da tutela pública sobre o setor e exigem-nos as melhores respostas», acrescentou.