Saltar para conteúdo

Notícias

2020-12-30 às 16h39

Portugal passou de 463 camas de cuidados intensivos para quase mil camas

Primeiro-Ministro António Costa e Ministra da Saúde, Marta Temido, inauguram a nova unidade de cuidados intensivos do Hospital Amadora-Sintra, 30 dezembro 2020 (foto José Sena Goulão/Lusa)
A Ministra da Saúde, Marta Temido, afirmou que Portugal passou de 463 camas de cuidados intensivos para quase mil camas, e de 1142 ventiladores para 1961, na inauguração da nova unidade de cuidados intensivos do Hospital Amadora-Sintra, cerimónia presidida pelo Primeiro-Ministro António Costa.

A Ministra referiu também o investimento «na aquisição de ventiladores que já estão, na grande maioria distribuídos e a funcionar em hospitais, num programa de 60 milhões de euros».

O Governo fez também «investimento em infraestruturas num conjunto de hospitais, dos quais 9 já completaram os investimentos em expansão ou remodelação das suas unidades de cuidados intensivos», referindo quartos de pressão negativa e novas unidades.

«Este esfoço significativo ainda não está concluído e que vai continuar no primeiro semestre de 2021», no âmbito do Programa de Estabilização Económica e Social. «Estão ainda a decorrer investimentos em 9 hospitais e há 6 outros onde ainda vão ser feitos», acrescentou.

Assim, «nos 35 hospitais com serviços de medicina intensiva, 24 terão intervenções em instalações», sublinhou Marta Temido.

Recursos humanos

A Ministra referiu também «a componente dos recursos humanos, que é a mais difícil», apontando que «por um regime excecional pudemos celebrar 280 contratos por tempo indeterminado com assistentes, enfermeiros e com alguns médicos».

«Vamos concretizar o concurso recentemente aberto para 48 postos de formação em medicina intensiva e iniciar o concurso para 46 postos de trabalho esta área», disse.

Este «é um processo mais complexo do que fazer uma aquisição ou intervir numa infraestrutura, pois implica uma aposta persistente na formação de recursos humanos e na melhoria dos processos de trabalho», afirmou ainda.