Saltar para conteúdo

Notícias

2021-05-27 às 18h47

Intervenção social têm sido vital durante a pandemia

Secretária de Estado da Ação Social, Rita da Cunha Mendes, na conferência «Pandemia, respostas à crise, o papel das instituições sociais e do poder local», Gaia, 27 maio 2021
A Secretária de Estado da Ação Social, Rita da Cunha Mendes, afirmou que o Estado, as Organizações e a Comunidade reorganizaram-se e reinventaram-se, perante os «desafios de uma extrema exigência» - provocados pela Pandemia - «até hoje desconhecidos pela sua natureza, pela sua dimensão e pelo seu impacto social, económico e financeiro».

A Secretária de Estado falava na conferência «Pandemia, respostas à crise, o papel das instituições sociais e do poder local», em Gaia, onde se debateram as respostas dadas à crise causada pela pandemia, bem como a forma como estas instituições podem contribuir.

«Neste contexto, a intervenção social ganhou uma importância vital, pois tornou-se necessário garantir resposta pronta aos mais frágeis, aos mais vulneráveis e aos mais afetados pela pandemia, particularmente os mais idosos, os que não têm acesso a cuidados de saúde, os que vivem em situação ou no limiar da pobreza», disse Rita da Cunha Mendes.

Numa altura em que se entra numa nova fase de desconfinamento, a Secretária de Estado referiu que vão ser implementadas novas medidas para «acautelar uma transição, tanto quanto possível tranquila, para um futuro próximo que se quer de recuperação».

Rita da Cunha Mendes enumerou ainda «os grandes desafios do século XXI» e que a pandemia veio realçar, designadamente: «as alterações demográficas com a inversão das pirâmides etárias, reveladoras do envelhecimento populacional, mudanças climáticas, globalização, incertezas geopolíticas, aumento da longevidade, baixas taxas de natalidade e fertilidade, mudanças nos papéis sociais de mulheres e homens, alterações no padrão de formação de família, mobilidade geográfica sem precedentes».

«Outro aspeto que não pode ser ignorado é a fragilidade económica e social da população idosa, nomeadamente o risco de pobreza, nas diferentes vertentes, como sejam os baixos rendimentos, as condições habitacionais, o acesso à saúde e medicação, entre outras», acrescentou.

Perante este «desafio sem precedentes» que está a ser colocado à sociedade, Rita da Cunha Mendes afirmou que «a economia tem de ser pensada para responder ao aumento da esperança média de vida traduzida em aumento de longevidade, garantindo, simultaneamente, a sustentabilidade do sistema de saúde e do sistema de segurança social sem, contudo, comprometer, por um lado a qualidade de vida dos mais velhos e, por outro, as legítimas aspirações dos mais novos».

A Secretária de Estado sublinhou ainda importância do Plano de Recuperação e Resiliência para as instituições, «à semelhança dos dois programas de alargamento e requalificação de equipamentos e respostas socias (PARES) 2.0 e 3.0», reforçando o seu papel ativo «no desenvolvimento da Nova Geração de Equipamentos e Respostas Sociais» para várias respostas para a infância, pessoas idosas e pessoas com deficiência e, em particular, uma resposta diferenciadora de  apoio domiciliário integrado.