Saltar para conteúdo

Notícias

2020-05-12 às 21h19

Escolas têm os equipamentos de proteção para recomeçar as aulas presenciais

Primeiro-Ministro António Costa e Ministros João Gomes Cravinho e Tiago Brandão Rodrigues visitam unidade militar que armazena materiais de proteção a ser distribuído às escolas, Benavente, 13 maio 2020 (foto: Manuel de Almeida/Lusa)
O Primeiro-Ministro António Costa, acompanhado pelos Ministros da Defesa Nacional, João Gomes Cravinho, e da Educação, Tiago Brandão Rodrigues, visitou a Unidade de Apoio Geral de Material do Exército, em Benavente, onde se encontra armazenado material de proteção individual que está a ser distribuído pelas escolas onde vão recomeçar as aulas presenciais para os alunos dos 11.º e 12.º anos, no dia 18 de maio.

O Primeiro-Ministro disse que «para bem se lecionar e para bem se aprender, é essencial que todos se sintam confortáveis. E todos só podem estar confortáveis se todos estiverem seguros. Só assim há confiança».

Para que exista confiança entre os elementos da comunidade educativa na conclusão do terceiro período letivo e na época de exames que se segue, o Estado adquiriu os necessários equipamentos de proteção, disse.

«O vírus não existe nas escolas. O vírus existe em cada um de nós e é cada um de nós que o transporta. Para além da máscara, da lavagem das mãos, é fundamental praticarmos a regra da distância de segurança, a etiqueta respiratória e mantermos as normas de higiene», reiterou.

Retomar as aulas presenciais

Aos professores, funcionários e famílias dos alunos que vão retomar as aulas presenciais, António Costa desejou que, a partir de dia 18, «entrem nas escolas com confiança, para se retomar o processo de aprendizagem, que nunca foi interrompido, mas que tem sido mantido à distância e que agora deve continuar de forma presencial».

O Primeiro-Ministro elogiou a operação logística das Forças Armadas, quer na desinfeção de estabelecimentos de ensino, quer no planeamento e organização da distribuição de material de proteção em cerca de 500 escolas.

«Foi um trabalho muito grande e foi um esforço financeiro enorme, porque se trata de uma quantidade imensa de material. Só nesta primeira leva, estamos a falar de mais de quatro milhões de máscaras para mais de 500 escolas», disse.

Adaptação face ao imprevisto

O Ministro da Defesa Nacional destacou a «permanente disponibilidade» manifestada pelas Forças Armadas no combate à Covid-19, dizendo que «não houve feriados desde o primeiro dia» da pandemia.

João Gomes Cravinho referiu que o trabalho das Forças Armadas foi primeiro desenvolvido em coordenação com a área de Governo da Saúde, na montagem de hospitais, depois com a do Trabalho, Solidariedade e Ministério da Segurança Social, no apoio a lares de idosos e, agora, nas últimas três semanas, com a da Educação.

«As Forças Armadas demonstraram, nesta operação, uma elevada capacidade de planeamento e, sobretudo, uma grande capacidade de adaptação face ao imprevisto. E as boas Forças Armadas distinguem-se precisamente por essa capacidade de adaptação», afirmou.

Confiança e segurança

O Ministro da Educação também elogiou o papel das Forças Armadas em ações de formação para a desinfeção de estabelecimentos de ensino e, agora, na distribuição de material de proteção.

«Nesta altura, precisamos de confiança e de segurança. Sabemos que temos agora de fazer o movimento inverso de desconfinamento», afirmou Tiago Brandão Rodrigues.

O Chefe de Estado Maior General das Forças Armadas, Silva Ribeiro, referiu que a distribuição de material de desinfeção e proteção às escolas decorre ao longo da semana e deverá estar concluída até sexta-feira.