Saltar para conteúdo

Notícias

2020-05-06 às 19h20

União Europeia reafirma solidariedade com seis países dos Balcãs Ocidentais

Declaração da Secretária de Estado dos Assuntos Europeus após a Cimeira entre a União Europeia e os países dos Balcãs Ocidentais (Albânia, Bósnia-Herzegovina, Macedónia do Norte, Kosovo, Montenegro e Sérvia)
Secretária de Estado dos Assuntos Europeus, Ana Paula Zacarias, na conferência de imprensa após a Cimeira União Europeia-Balcãs Ocidentais, Lisboa, 6 maio 2020 (Foto: João Bica)
A Secretária de Estado dos Assuntos Europeus, Ana Paula Zacarias, afirmou que a cimeira União Europeia-Balcãs Ocidentais foi uma oportunidade para os Estados-membros reafirmarem a solidariedade com os seis países dos Balcãs Ocidentais.

Numa conferência de imprensa na Residência Oficial do Primeiro-Ministro, após a cimeira que se realizou por videoconferência, a Secretária de Estado sublinhou que foi aprovado «pacote financeiro de ajuda aos países dos Balcãs Ocidentais no valor de três mil milhões de euros para apoio aos respetivos serviços de saúde e também para apoio de mitigação das consequências económicas desta pandemia».

Ana Paula Zacarias acrescentou que estes apoios poderão ser obtidos através de ajuda direta, com programas da Comissão Europeia, ou através de apoios do Banco Europeu de Investimento.

«Temos uma reafirmação muito unânime de todos os Estados-membros da União Europeia em relação a esta ideia de que a União Europeia precisa de continuar a manter o diálogo com estes seis países, trazendo-os para a família europeia e promovendo solidariedade», disse.

A Secretária de Estado sublinhou que dois países estão já em «plena adesão à União Europeia», a Sérvia e o Montenegro, outros dois iniciaram o processo em março, Macedónia do Norte e Albânia, enquanto a Bósnia e Herzegovina e o Kosovo «continuam ainda à espera que se dê o próximo passo.

«Estes países pertencem ao espaço europeu, são importantes parceiros ao nível económico e político, e é preciso manter o espírito europeu na região e conter movimentos de desinformação e de outras influências naquela região», afirmou.