Saltar para conteúdo

Notícias

2021-03-22 às 20h02

União Europeia não distingue vacinas «segundo a nacionalidade das empresas produtoras»

O Ministro de Estado e dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva, declarou que a União Europeia não distingue vacinas «segundo a nacionalidade das empresas produtoras», mas sim «segundo a sua qualidade e a sua fiabilidade».

Depois do Conselho de Negócios Estrangeiros da União Europeia, o Ministro referiu que as relações entre a União Europeia e a Rússia foram abordadas, com um claro destaque para as vacinas que o país está a desenvolver.

«Das três vacinas que são produzidas na Rússia, que foram descobertas e desenvolvidas por laboratórios e empresas russas, uma delas, a Sputnik V, já foi apresentada à Agência Europeia de Medicamentos [EMA] para procurar nela obter uma certificação, e esse processo técnico está em curso», disse.

Santos Silva realçou que não são os políticos nem «os corpos ou as instâncias políticas de decisão da União Europeia» que vão decidir se as vacinas são «suficientemente fiáveis, suficientemente eficazes e suficientemente seguras» para serem autorizadas em solo europeu, mas sim EMA, com base em «critérios puramente técnicos».

O Ministro disse ainda que a União Europeia está interessada em ter «uma comunicação política e uma cooperação com a Rússia em áreas que são de interesse comum para os dois blocos», mas que será firme relativamente a comportamentos «hostis e agressivos em relação à União Europeia e a decisões da Rússia em relação à União Europeia que não são aceitáveis».