Saltar para conteúdo

Notícias

2020-10-28 às 12h46

Serviço Nacional de Saúde será reforçado em 1210 milhões de euros

Ministra da Saúde, Marta Temido, na apresentação da proposta de Orçamento do Estado para 2021, Assembleia da República, 28 outubro 2020 (foto: Tiago Petinga/Lusa)
«Em 2021, a dotação orçamental do Serviço Nacional de Saúde será reforçada em cerca de 1210 milhões de euros face ao orçamento inicial do ano anterior, o que significa 805 milhões de euros a mais face ao orçamento suplementar», afirmou a Ministra da Saúde, Marta Temido, no seu discurso de apresentação da proposta de Orçamento do Estado para 2021, na Assembleia da República. 

A Ministra afirmou que, mesmo no quadro em que o combate à pandemia é central, «as prioridades da ação governativa mantêm-se: qualificação do acesso; motivação dos profissionais de saúde; investimento na rede do Serviço Nacional de Saúde». 

Marta Temido sublinhou que o facto de «o sistema de saúde português ser baseado num Serviço Nacional de Saúde, maioritariamente financiado por impostos, com prestação predominantemente pública e tendencialmente gratuito no ponto de contacto, permitiu-lhe capacidade de ajustamento à dinâmica das novas necessidades». 

Capacidade de adaptação

Esta capacidade de adaptação é visível através de alguns números:
  • «Há um ano, a linha SNS 24 atendia uma média diária de 3 500 chamadas; hoje atende uma média de 17 500. 
  • Há um ano, os atendimentos não presenciais representavam 30% das consultas médicas não urgentes em cuidados de saúde primários; hoje representam 56%. 
  • Há um ano o número de ventiladores nos hospitais do SNS era de 1142; hoje é de 1889. 
  • Há um ano a lotação de camas de cuidados intensivos de adultos nível 3 era de 463; hoje é de 570, estando em curso um plano de reforço de 200 camas. 
  • Há um ano, quem não tinha a sua situação de residente regularizada não tinha número de utente do SNS; hoje todos aqueles que demonstrem ter dado início ao seu processo de legalização podem obter número de utente. 
  • Há um ano, os serviços de saúde respondiam, especialmente, a quem os procurava; hoje, saem para a rua em equipas multidisciplinares, em visitas de acompanhamento e na colaboração no Programa Bairros Saudáveis».
A Ministra sublinhou ainda que o Serviço Nacional de Saúde «demonstrou a sua resiliência», com «a dimensão e complexidade que lhe é conferida pela sua meia centena de estabelecimentos hospitalares, pelas nove centenas de unidades de cuidados de saúde primários e pelos mais de 140 000 profissionais de saúde.