Saltar para conteúdo

Notícias

2020-05-02 às 11h13

Reaprender a viver, circular e trabalhar de forma adaptada ao risco

Ministro de Estado, da Economia e da Transição Digital, Pedro Siza Vieira, na assinatura do protocolo entre a CCP e a Direção-Geral de Saúde e anúncio dos apoios à adaptação de empresas, Lisboa, 2 maio 2020 (foto: João Bica)
«Nesta nova etapa, não se trata de conter a pandemia com um mínimo de perturbação para a economia, mas de reaprender a viver, circular e trabalhar de uma forma adaptada ao risco que ainda confronta o País», disse o Ministro de Estado, da Economia e da Transição Digital, Pedro Siza Vieira.

O Ministro – que discursava na cerimónia de assinatura do Protocolo de Cooperação para o Setor do Comércio e Serviços (entre a Confederação do Comércio e Serviços e a Direção-Geral de Saúde) e de anúncio dos apoios à adaptação das microempresas – disse que este é um protocolo pelo qual a Confederação do Comércio e Serviços e a Direção-Geral de Saúde se comprometem a apoiar-se tecnicamente e a divulgar estas boas práticas».

Pedro Siza Vieira sublinhou que «vamos ter de ter especiais cuidados para proteger os outros e a comunidade, em matéria de higienização e de saúde e segurança nos locais públicos e de trabalho, para que possamos voltar a trabalhar e a consumir com toda a confiança».

O «trabalho feito nas últimas semanas pelo setor do comércio e serviços foi impressionante», «percebendo a escala do desafio com que se confrontam todas as unidades comerciais para definir regras precisas e boas práticas que permitam criar segurança», disse, referindo também «o trabalho de enquadramento técnico e validação destas orientações da Direção-Geral de Saúde».

O Ministro destacou os níveis de saúde, segurança e higiene dos estabelecimentos comerciais em Portugal, que são «do mais elevado que há no mundo».

Mesmo assim, «vão ter de ser feitos investimentos na aquisição de materiais de proteção e na adaptação de locais de trabalho e de consumo às novas exigências», para o que o Governo disponibiliza apoio às empresas a fundo perdido.

Pedro Siza Vieira exprimiu ainda a ideia de que «talvez estes tempos nos tenham feito perceber como o contributo de tantas pessoas em tantas atividades é essencial ao nosso bem-estar».

Na cerimónia, que foi encerrada pelo discurso do Primeiro-Ministro António Costa, também discursou o Ministro do Planeamento, Nélson de Souza, tendo estado também presente a Ministra do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, Ana Mendes Godinho, e o Secretário de Estado do Comércio, Serviços e Defesa do Consumidor, João Torres.