Saltar para conteúdo

Notícias

2020-08-28 às 13h29

Reaberto átrio da estação do Areeiro do Metropolitano de Lisboa

Ministro do Ambiente e da Ação Climática, Matos Fernandes, na reabertura do átrio norte da estação de Metro do Areeiro, Lisboa, 28 agosto 2020 (Foto: Tiago Petinga/Lusa)
O átrio norte da estação de Metro do Areeiro, em Lisboa, reabriu ao público após a realização de obras de remodelação e requalificação, com uma cerimónia presidida pelo Ministro do Ambiente e da Ação Climática, Matos Fernandes.

A reformulação do átrio norte integra-se na segunda fase da intervenção na estação do Areeiro, seguindo-se à ampliação do átrio sul, aberto ao público em novembro de 2013, contemplando um átrio totalmente renovado e um cais de embarque alargado, adaptado à oferta de composições de seis carruagens.

A reformulação envolveu a instalação de três novos elevadores, bem como a modernização de equipamentos, sistemas e instalações, adequando-os aos atuais padrões e necessidades de mobilidade. O Metropolitano de Lisboa passa a ter mais uma estação com acesso a todos os passageiros – das 56 estações 40 têm acesso pleno.

A empreitada contemplou também trabalhos de tratamento das infiltrações, reforço do sistema de drenagem, a instalação de um corrimão central e a integração de um novo ventilador. No total, foi feito um investimento de 2,8 milhões de euros.

Estação de Arroios

O Ministro exprimiu o desejo de que os trabalhos da estação de Arroios, que se encontra encerrada por não pode receber comboios de seis carruagens, possam estar concluídos em junho do próximo ano – dois a três meses antes do previsto –, pois «os lisboetas estão há muito tempo à espera» da reabertura da estação. 

Os trabalhos na estação de Arroios forma contratados por cerca de 6,6 milhões de euros (mais IVA) e visam ampliar o cais da estação de 70 para 105 metros, reformular os átrios, incluindo a reorganização dos espaços de apoio à exploração, e introduzir elevadores para acesso a pessoas de mobilidade condicionada.

A obra teve início em julho de 2017, e tinha a conclusão prevista para o primeiro semestre de 2019, mas, devido a atrasos na obra, o Metro rescindiu o primeiro contrato e lançou um novo concurso em fevereiro, que foi adjudicado em setembro.