Saltar para conteúdo

Notícias

2020-11-16 às 19h17

Portugal quer estar na linha da frente no acesso e recursos da computação avançada

O Ministro da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, Manuel Heitor, destacou o objetivo de Portugal estar, juntamente com outros oito países europeus, «na linha da frente daquilo que se faz em computação avançada, quer em termos de acesso, quer em termos dos recursos».

Na Covilhã, durante a assinatura de um protocolo entre a Fundação para a Ciência e Tecnologia e a Universidade da Beira Interior (UBI), com vista à criação de um Centro de Competência em Computação Avançada, o Ministro salientou que Portugal é «um país fundador da nova iniciativa europeia para aumentar a capacidade computacional na Europa».

«Este é um esforço importante e queremos, obviamente, que a Covilhã e a UBI, no seu contexto de progressiva internacionalização em redes europeias, tenha acesso ao melhor que se faz na Europa», acrescentou.

O centro da Covilhã fará parte de um total de seis centros (Aveiro, Porto, Lisboa, Faro, Vila Real, Covilhã), que deverão ser instalados até ao final do primeiro semestre do próximo ano, a par com a instalação do novo supercomputador, que ficará no Minho.
O objetivo passa por reforçar a capacidade de recursos e acessos e consequentemente de produção científica nacional no domínio das competências digitais avançadas, inteligência artificial e big data.

Os centros de competências que estão a ser criados estarão ligados aos centros operacionais de Portugal, que por sua vez, estão ligados à rede espanhola (supercomputador de Barcelona) e à rede europeia, permitindo assim o acesso ao grande volume de dados, que está criado e que poderá ajudar a viabilizar as investigações.