Saltar para conteúdo

Notícias

2020-07-01 às 10h13

Portugal e Espanha assinalam reabertura de fronteiras à livre circulação

Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, Rei Felipe de Espanha, Primeiro-Ministro António Costa e Presidente do Governo de Espanha, Pedro Sanchez, na cerimónia de reabertura de fronteiras, Badajoz, 1 julho 2020 (Foto: Nuno Veiga/Lusa)
Portugal e Espanha assinalaram a reabertura das fronteiras à circulação livre de pessoas com uma cerimónia realizada nas cidades fronteiriças de Badajoz e Elvas. 

A cerimónia, que decorreu primeiro do lado espanhol e depois do lado português, foi presidida pelos Chefes de Estado, Rei Felipe VI, e Presidente da República Marcelo Rebelo de Sousa, e nela estiveram também presentes os Chefes de Governo, Presidente do Governo Pedro Sanchez e Primeiro-Ministro António Costa. 

O Primeiro-Ministro escreveu na sua conta de Twitter que «hoje assinalamos ao mais alto nível a normalização do trânsito terrestre da fronteira entre Portugal e Espanha. É um reencontro entre vizinhos, que são irmãos e amigos. Desta fronteira aberta depende a nossa prosperidade partilhada e um destino comum no projeto europeu».

«A pandemia ofereceu-nos uma visão de um passado ao qual não queremos voltar: um continente de fronteiras encerradas. A liberdade de circulação consolidou-se no espírito dos cidadãos europeus como um dos princípios fundamentais da ideia de Europa», acrescentou.

António Costa escreveu ainda que «Espanha e Portugal devem ser atores de primeira linha na construção de uma Europa cujo modelo económico e social reforce a convergência e que, mais do que esperanças, dê certezas a todos. Teremos mais peso se travarmos esse combate lado a lado, Portugal e Espanha».

A cerimónia consistiu essencialmente na presença dos Chefes de Estado e de Governo nas duas cidades, com o toque dos respetivos hinos e breves passeios pelos centros históricos de Badajoz e Elvas.

A circulação terrestre entre os dois países esteve limitada, devido à pandemia de Covid-19, a alguns locais e, nestes, à passagem de mercadorias, de trabalhadores transfronteiriços, de regressos de cidadãos e residentes, e de familiares.