Saltar para conteúdo

Notícias

2020-10-23 às 21h29

Portugal atribui 150 mil euros para apoiar plano de recuperação das cheias na Praia

Ministro de Estado e dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva

O Governo português vai apoiar com 150 mil euros o plano de emergência cabo-verdiano após as cheias de setembro na Praia. Esta colaboração poderá ser alargada às obras de reconstrução, com empresas de Portugal.

Após a assinatura do protocolo com o Governo de Cabo Verde - que decorreu em simultâneo em Lisboa e na Praia - o Ministro de Estado e dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva, disse que Portugal está disponível para pensar em outras formas de apoio.

Augusto Santos Silva referiu também, por videoconferência a partir de Lisboa, que este primeiro apoio visa mitigar os efeitos das cheias de 12 de setembro na capital cabo-verdiana e, sobretudo, «ajudar as suas populações», permitindo «aumentar os recursos financeiros imediatamente disponíveis» para a primeira intervenção das autoridades cabo-verdianas.

Este apoio do Estado foi direcionado para as necessidades de realojamento das populações afetadas pelas cheias, tendo sido mobilizado a partir do orçamento do Camões - Instituto da Cooperação e da Língua.


«Portugal está sempre do lado de Cabo Verde»


No final da cerimónia, na Praia, o Ministro dos Negócios Estrangeiros e Comunidades de Cabo Verde, Luís Filipe Tavares, destacou o facto de o Governo cabo-verdiano já ter garantido cerca de meio milhão de euros de apoios de emergência de parceiros internacionais para este plano de emergência face às cheias de setembro.

«É um gesto de solidariedade que o Governo de Cabo Verde muito aprecia», destacou o Ministro cabo-verdiano, elogiando o envolvimento das empresas portuguesas na reconstrução das zonas afetadas pelas cheias, mas também a colaboração das autoridades portuguesas de saúde no combate à Covid-19 no arquipélago africano, traduzindo-se por isso «num apoio muito importante, em várias frentes».

«Portugal está sempre ao lado de Cabo Verde. Nós tivemos outras catástrofes naturais, Portugal esteve sempre presente», sublinhou Luís Filipe Tavares, em declarações aos jornalistas, em conjunto com o embaixador português na Praia, António Moniz.

As chuvas que caíram na Praia, sobretudo na madrugada de 11 para 12 de setembro, provocaram danos significativos, em habitações de diversas zonas da capital, que estão em situação iminente de desabamento de cobertura e nalguns casos tendo-se verificado o colapso total das mesmas.