Saltar para conteúdo

Notícias

2020-10-02 às 19h21

«Plano de Recuperação e Resiliência é também para as empresas»

Ministra da Coesão Territorial, Ana Abrunhosa, na cerimónia de entrega do galardão Empresas Gazela 2019, Leiria, 2 outubro 2020
A Ministra da Coesão Territorial, Ana Abrunhosa, destacou que «o Plano de Recuperação e Resiliência é também para as empresas».
 
Em Leiria, na entrega simbólica dos galardões Empresas Gazela 2019 da Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Centro (CCDR-C), a Ministra referiu a importância do papel que as empresas desempenharam desde o início de pandemia e realçou que não podiam ficar de fora do plano.
 
«É um plano para ajudarmos as nossas empresas a entrarem mais no mundo da digitalização, para serem cada vez mais amigas do ambiente, para se qualificarem cada vez mais, se internacionalizarem e enriquecerem. Porque mais enriquecidas, podem pagar melhores salários e, com isso, melhorar a qualidade de vida de todos nós», disse.
 
Na sede da Lubrifuel III, uma das 112 empresas reconhecidas, Ana Abrunhosa destacou que o município de Leiria é «uma das zonas mais dinâmicas em termos empresariais» e sublinhou o papel que as pequenas empresas têm como «motor do desenvolvimento da economia nacional e da Europa».
 
O prémio Empresas Gazela «sublinha a capacidade de as empresas pequenas crescerem». «Nomeadamente num indicador muito importante, do número de trabalhadores e exportações: desde 2015 a 2018 o número de trabalhadores que as empresas Gazela emprega triplicou. Passou de 1261 em 2015 para quase 3500 em 2018», acrescentou.
 
A Ministra sugeriu também que o prémio entregue pela Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Centro seja alargado ao resto do País para continuar a valorizar, ao nível nacional, o progresso das pequenas empresas.
 
Ana Abrunhosa realçou que a saída desta crise só vai ser possível através da cooperação entre o Estado, as empresas e outras instituições da área social e cultural.
 
«Se não formos unidos, se não formos coesos, se não trabalharmos para o mesmo fim, pode correr mal. E nós não vamos deixar que corra mal», afirmou, sublinhando a importância de uma utilização eficiente dos fundos europeus que vão ser disponibilizados.