Saltar para conteúdo

Notícias

2020-06-22 às 20h22

Novo pacote de apoios da União Europeia terá mais 20 mil milhões de euros

Ministro do Planeamento, Nelson de Souza, na Na apresentação das contas dos apoios disponibilizados pelo Governo às empresas, Nelas, 22 junho 2020
O Ministro do Planeamento, Nelson de Souza, afirmou que o novo pacote plurianual da União Europeia (UE) para os próximos sete anos, entre 2021 e 2027, «não será inferior a 20 mil milhões de euros».

Na apresentação das contas dos apoios disponibilizados pelo Governo às empresas, para fazer face à pandemia, no âmbito do «Portugal 2020», em Nelas, o Ministro destacou as «dinâmicas positivas das empresas da região», onde os empresários mostram a sua resiliência, «porque apesar, do vírus ainda andar por aí, só falam em investimento e futuro».

Na sequência do Conselho Europeu, realizado no dia 19, Nelson de Souza referiu que vai haver um plano de recuperação e resiliência com «uma dimensão significativa», apesar de o «seu volume certo e preciso ainda ser uma matéria que está em discussão».

Nelson de Souza afirmou também que «a partir de janeiro de 2021, teremos condições para definir regras e apresentar os apoios, mas muito antes disso, temos de discutir na nossa sociedade o que é que queremos ser no futuro e quais são as nossas prioridades», pelo que «é muito importante chegar a um consenso» na sociedade.

O Ministro explicou ainda que o apoio financeiro vem associado a «três grandes prioridades da UE, sendo que duas delas já são prioridades nacionais, como é o caso da transição digital e da ação climática e transição energética».

Quanto à terceira prioridade - a da «autonomia europeia» no que diz respeito à produção - Nelson de Souza disse que, «mais do que uma linha estratégica, constitui oportunidade» decorrente da pandemia que ainda se vive.

«É a necessidade da consolidação da autonomia estratégica da UE em torno da garantia de sermos, no espaço europeu, capazes de assegurar a nossa sobrevivência enquanto espaço forte e competitivo, e como tal independente, sobretudo em contextos de crise de âmbito mundial», acrescentou.