Saltar para conteúdo

Notícias

2020-04-08 às 13h37

«Não podemos vacilar» na resposta à pandemia

O Secretário de Estado da Saúde, António Sales, afirmou que é necessária uma «resposta firme, determinada» e sem hesitações à pandemia, independentemente das oscilações da curva nacional, para impedir «prolongar o que ninguém quer se se prolongue».

«Não podemos vacilar, sob pena de prolongar o que ninguém quer que se prolongue mais do que o estritamente necessário», disse o Secretário de Estado na conferência de imprensa diária de balanço sobre a epidemia, que decorreu em Lisboa.

António Sales afirmou também que «Portugal só vence esta difícil provação com o empenho de todos e todos são necessários», sejam «profissionais de saúde, autarcas, IPSS, setor social ou sociedade civil».

«Temos a obrigação de estar à altura do que o País espera e precisa e que só em conjunto conseguiremos vencer», acrescentou.

Lares de idosos são uma preocupação do Governo

Na sua intervenção inicial o Secretário de Estado relembrou que os lares de idosos foram preocupação do Governo «desde início» e referiu as medidas tomadas, designadamente: interdição de visitas, criação de apoios à contratação de pessoal, disponibilização de materiais formativos relativos às normas de higiene, criação de um mecanismo para que este tipo de estruturas possam receber voluntários. 

António Sales disse ainda que, «neste momento estão a ser realizadas centenas de testagens em utentes e profissionais em lares por todo o País».

Mais de 130 mil testes desde 1 de março

Relativamente aos testes de rastreio à Covid-19 o Secretário de Estado referiu que foram realizados em Portugal, desde 1 de março, mais de 130 mil testes de rastreio à covid-19. Só na semana passadam 65 mil destes testes foram feitos na região Norte.

António Sales disse também que é intenção do Governo fazer com que os materiais (rastreios, equipamentos de proteção ou ventiladores) «cheguem aos locais que mais precisam, de forma equitativa».

Segundo o Secretário de Estado, o ritmo da distribuição é «determinado de acordo com a chegada do equipamento e a necessidade do mesmo, atendendo aos critérios técnicos estabelecidos», «privilegiando a otimização de recursos, o investimento duradouro no Serviço Nacional de Saúde e com um olhar integrado em toda a rede nacional».

Tags: coronavírus
Áreas:
Saúde