Saltar para conteúdo

Notícias

2021-02-19 às 14h59

Ministros da Educação aprovam reforço do quadro estratégico europeu

Ministro da Educação, Tiago Brandão Rodrigues, na reunião informal de ministros da educação da União Europeia, Lisboa, 19 fevereiro 2021 (Foto: António Pedro Santos/LUSA)
Os ministros da Educação aprovaram a resolução do Conselho da União Europeia (UE), relativa ao quadro estratégico para a cooperação europeia no domínio da educação e da formação até 2030.

Em conferência de imprensa após a videoconferência informal de ministros da Educação, o Ministro da Educação português, Tiago Brandão Rodrigues, referiu que esta aprovação é «mais um passo importante rumo ao Espaço Europeu da Educação» e constitui «um documento de extrema relevância», que irá agora «orientar e apoiar a cooperação ao nível da UE em matéria de educação e formação».

A resolução do Conselho da União Europeia, hoje aprovada, assenta em cinco áreas estratégicas: melhorar a qualidade, a equidade, a inclusão e o sucesso de todos em matéria de educação e formação; reforçar a aprendizagem ao longo da vida e a mobilidade para todos; reforçar a competência e a motivação dos profissionais do ensino; reforçar o ensino superior europeu; apoiar a transição ecológica e digital na educação.

A Presidência Portuguesa colocou, no centro do debate da União Europeia, uma reflexão sobre a equidade no acesso, a inclusão e o sucesso para todos em educação e formação, tidas como princípios fundamentais subjacentes à missão primeira dos sistemas educativos, e de um verdadeiro serviço público de educação e formação. Tiago Brandão Rodrigues sublinhou que «a educação e a formação têm um papel importante na redução das desigualdades, nomeadamente as ligadas ao estatuto socioeconómico, e existem evidências de que os sistemas de educação e formação com melhor desempenho são aqueles que colocam maior ênfase na equidade e inclusão».

Sobre o impacto da pandemia de Covid-19 nos setores da educação, juventude e desporto, o Ministro relembrou que Portugal elaborou uma plataforma online com «informação estatística para apoiar o trabalho partilhado pelos Estados-membros».