Saltar para conteúdo

Notícias

2021-02-20 às 11h19

Mais de 700 mil pessoas deixaram a situação de pobreza ou exclusão social desde 2015

Assinala-se a 20 de fevereiro o Dia Mundial da Justiça Social.

A percentagem de pessoas que se encontrava em taxa de pobreza monetária caiu em 2019 para 16,2%, o valor mais baixo desde que há dados, que traduz uma redução de um ponto percentual face a 2018 e de 2,8 pontos percentuais face a 2015, de acordo com os dados divulgados pelo Instituto Nacional de Estatística.
 
Este é assim o quinto ano consecutivo em que esta taxa diminui, o que traduz os avanços alcançados no emprego e rendimentos nos últimos cinco anos. Estes números não refletem ainda o impacto provocado pela pandemia por Covid-19, que afetou grande parte de 2020. 
 
O indicador da população em risco de pobreza ou exclusão social, que inclui o ano de 2020, traduz igualmente uma redução face a 2019. Esta taxa passa de 26,6% em 2015 para 19,8% em 2020, o que significa que nos últimos cinco anos houve mais de 700 mil pessoas a deixar a situação de pobreza ou exclusão social.
 
Em 2020 reduzem-se igualmente as taxas de privação material severa, a taxa de risco de pobreza após transferências sociais com base nos rendimentos de 2019 e a intensidade laboral per capita muito reduzida. 

Ao mesmo tempo, o indicador relativo ao limiar de pobreza em 2019 subiu para 6480 euros, ou 540 euros mensais, que reflete uma subida expressiva (de 7,7%) da mediana dos rendimentos líquidos por adulto equivalentes.
 
A pandemia de Covid-19 teve impacto a nível mundial, incluindo naturalmente em Portugal. 

Para responder à emergência social e económica, Governo adotou, desde março de 2020, um conjunto de medidas extraordinárias que já chegaram a 2,6 milhões de pessoas, um em quatro portugueses, e a 160 mil empresas. 

Foram pagos apoios no montante de 2725 milhões de euros, incluindo isenções e dispensas contributivas.