Saltar para conteúdo

Notícias

2020-04-12 às 13h46

Mais de 36 mil pessoas estão em casa com vigilância clínica telefónica

A Ministra da Saúde, Marta Temido, afirmou que mais de 36 mil pessoas estão em vigilância clínica domiciliária e a ser acompanhadas telefonicamente por equipas de saúde familiar, acrescentando que 70 mil de profissionais de saúde familiar estão inscritos para fazer gestão clínica através da aplicação Trace covid-19.

Na conferência de imprensa diária sobre a Covid-19, Marta Temido referiu também que o atendimento na linha SNS24 «retomou a relativa normalidade», com o número de chamadas no dia 11 a superar as 12 mil e a «generalidade dos utentes a serem atendidos em 28 segundos». Já a linha de aconselhamento psicológico recebeu, no mesmo dia, 236 chamadas.

Rede nacional de cuidados continuados

A Ministra disse também que, das 930 unidades da rede nacional de cuidados continuados integrados, apenas 21 registam casos confirmados de Covid-19, correspondendo a 90 doentes. Registam-se também nove óbitos pela doença e 165 doentes internados ainda a aguardar testes.

«Se não há necessidade de internamento hospitalar as pessoas devem permanecer no seu meio habitual com as precauções que todos conhecem», afirmou.

Portugal vai continuar a seguir as recomendações internacionais

Sobre as medidas de contenção e de prevenção adotadas, Marta Temido referiu que são necessárias até que seja descoberta a vacina para o novo coronavírus.

«A expectativa de regressar à normalidade vai ter de ser sempre temperada, até à descoberta da vacina, por medidas de restrição, de contenção e de prevenção que não podemos, tanto quanto sabemos, eliminar por completo», disse.

Apesar das atuais previsões serem marcadas por uma grande incerteza, Marta Temido disse que Portugal vai continuar a seguir as recomendações internacionais.

Preparação de Portugal para a pandemia foi a adequada

A Ministra disse também que a preparação de Portugal para a pandemia foi a adequada e, neste momento, uma das principais preocupações é assegurar que não existem falhas, apesar da escassez mundial de material de proteção.

Marta Temido destacou ainda que o Governo tem tentado dar uma resposta ponderada que assegure, tanto quanto possível, o equilíbrio entre o valor da vida em sociedade e o valor do funcionamento da economia, sem prejuízos para o valor da saúde pública.

«Sabemos que outros países optaram por visões muito radicais, ou de deixar tudo aberto ou de fechar tudo. Não tiveram tão bons resultados e tiveram de fazer pequenas correções», disse, acrescentando que a vigilância epidemiológica constante e a introdução de medidas corretivas e mitigadoras conforme o contexto de cada momento, são a melhor alternativa.

A Ministra disse também que, desde o início da pandemia, já foram realizados 172v440 testes em Portugal. A média diária destes testes é, atualmente, de 9100. Só no dia 9 de abril foram realizados 11v876 testes, 8% dos quais com resultado positivo. Os laboratórios públicos são responsáveis por 52% dos testes realizados até ao momento.