Saltar para conteúdo

Notícias

2021-07-15 às 15h13

«Maior aquisição de comboios de toda a história da CP» com compra de 117 automotoras elétricas

Conferência de imprensa do Conselho de Ministros - 15 julho 2021
Ministro das Infraestruturas e da Habitação, Pedro Nuno Santos, na conferência de imprensa do Conselho de Ministros, Lisboa, 15 julho 2021 (foto: João Bica)
O Conselho de Ministros aprovou o lançamento de um concurso para aquisição de 117 automotoras elétricas. «Um dia histórico para a ferrovia em Portugal», com «a maior aquisição de comboios de toda a história da CP», disse o Ministro das Infraestruturas e da Habitação, Pedro Nuno Santos, na conferência de imprensa do Conselho de Ministros. 

A compra inclui 62 automotoras para o serviço urbano (34 para a linha de Cascais, substituindo as atuais 29, que têm mais de 50 anos; 16 unidades para reforçar as restantes linhas da Área Metropolitana de Lisboa – Sintra, Azambuja e Sado; 12 unidades para reforçar os serviços urbanos do Porto) e 55 automotoras elétricas para todas as linhas do serviço regional, disse, acrescentando que esta compra representa «um investimento de 819 milhões de euros».

A estas 117 automotoras somam-se 22 para o serviço regional, cujo concurso já «foi lançado, mas que ainda não tinha a devida calendarização do seu financiamento». Esta compra já está adjudicada à empresa suíça Stadler. 

No conjunto, trata-se de 139 automotoras novas cuja compra tem como objetivo substituir material obsoleto (na linha de Cascais, alguns comboios têm mais de 70 anos), dar resposta à atual procura – se a pandemia diminuiu a procura «estamos todos recordados da pressão que havia antes» nas duas áreas metropolitanas -, e dar resposta à previsão do aumento da procura nos próximos anos. 

Incorporação nacional

O Ministro afirmou também que, «a este grande investimento, tínhamos de associar uma estratégia industrial: já que vamos fazer um elevado investimento na aquisição, é importante que ele tenha consequências na indústria nacional».

Por isto, o caderno de encargos do concurso, «cumprindo a legislação da União Europeia, tem como objetivo garantir que uma parte considerável dos comboios que vão ser fornecidos, tenha incorporação da indústria nacional».

O Conselho de Ministros autorizou a criação do Centro de Competências Ferroviário, que ficará localizado em Guifões, Matosinhos, perto das oficinas da CP.  Será fundado pela CP, a IP, a Metro de Lisboa, a Metro do Porto, a Fundação da Universidade do Porto e a Plataforma Ferroviária, que integra dezenas de empresas do setor privado da indústria ferroviária.

Neste centro far-se-á investigação, inovação e formação na área da ferrovia, juntando empresas públicas, academia e empresas privadas, fazendo a ligação entre a produção de conhecimento e a sua aplicação na indústria, num setor que está em crescimento em toda a Europa.

A aposta da Europa na transição ambiental privilegia a transferência para a ferrovia e todos os países estão a investir em infraestrutura ou em aquisição de material circulante, sendo um setor em franco crescimento nos próximos anos. «Queremos que Portugal participe também neste setor».

Lançamento de concursos
 
Foi ainda autorizado à IP, por despacho das áreas das Finanças e das Infraestruturas e Habitação, a lançar todos os concursos para a elaboração dos estudos e projetos para a concretização do próximo ciclo de investimento ferroviário.

«Estamos a executar o Ferrovia 2020, que ficará integralmente executado até dezembro de 2023, mas queremos preparar o próximo ciclo de investimentos, o que implica que a empresa lance desse já os concursos que serão financiados, entre outros, pelo quadro financeiro plurianual 2021-27.»