Saltar para conteúdo

Notícias

2019-12-19 às 10h46

Madeira poupará 100 milhões nos juros do empréstimo do Estado

O Ministro de Estado e das Finanças, Mário Centeno, disse que a redução dos juros permitirá à Madeira poupar mais de 100 milhões de euros até 2044, quando termina o empréstimo de 1 500 milhões de euros contraído ao Estado em 2012. O Ministro intervinha no jantar das 500 maiores e melhores empresas da região, promovido pelo Diário de Notícias da Madeira, no Funchal.

Em 2012, a Madeira pediu ao Estado, ao abrigo do Programa de Ajustamento Económico e Financeiro, um empréstimo de 1 500 milhões de euros, contraído devido a uma dívida regional no valor de 6,3 mil milhões de euros.

Esse empréstimo, a pagar inicialmente em 25 anos, mas depois alargado para 32 anos, tinha uma taxa de juro de 3,375%, superior à que o conjunto do País pagava para se financiar nos mercados internacionais (2,5%). Em meados do ano corrente, a taxa de juro foi reduzida para 2,8%.

Crescimento

Mário Centeno referiu também que Portugal cresce há 22 trimestres consecutivos e que a Madeira o faz há 76 meses. 

«É um período longo de crescimento, é um período de crescimento económico que permitiu à Região Autónoma da Madeira convergir com a média da União Europeia», disse que o conjunto de «Portugal hoje segue um caminho de sucesso».

O Ministro disse ainda que as contas regionais «mostram que, na Região Autónoma da Madeira, o investimento tem crescido mais do que no Continente e, portanto, não é de estranhar que a produtividade esteja a crescer mais» neste arquipélago «do que no conjunto da economia portuguesa».

«Isto é bom porque esse é o caminho», acrescentou, afirmando-se ainda satisfeito por ver «todo o território nacional a partilhar deste bom momento» da economia portuguesa.

«Devemos continuar a investir nos serviços de saúde, nacionais e regionais, por isso temos trabalhado com o Governo Regional», disse também – o Orçamento de Estado para 2020 garantiu 50% da construção do Hospital Central da Madeira.

Mário Centeno disse ainda que o facto de o País ter as suas contas consolidadas e de o Orçamento prever um superávite no final de 2020 «é um momento de grande afirmação de Portugal na Europa e de afirmação de todos os portugueses».

Tags: Madeira, economia
Áreas:
Finanças