Saltar para conteúdo

Notícias

2021-01-11 às 15h28

Forças Armadas têm ainda «muita capacidade» para apoiar o SNS

Ministro da Defesa Nacional e Ministra da Saúde visitam Hospital das Forças Armadas, que apoia o SNS no tratamento de doentes Covid-19, Lisboa, 11 janeiro 2020

O Ministro da Defesa Nacional, João Gomes Cravinho, afirmou que as Forças Armadas têm ainda «muita capacidade» disponível para apoiar o Serviço Nacional de Saúde (SNS), face ao aumento significativo de casos de Covid-19 em Portugal.

«Temos muita capacidade ainda não utilizada em termos dos espaços de retaguarda, um pouco por todo o País, nas várias unidades», disse João Gomes Cravinho, durante uma visita ao Hospital das Forças Armadas (HFAR), em Lisboa, acompanhado pela Ministra da Saúde, Marta Temido. 

Questionado sobre o aumento do apoio das Forças Armadas ao SNS, João Gomes Cravinho disse que, «até agora, não tem sido necessário» ou apenas «em muito pequena escala, mas isso poderá obviamente aumentar se vier a ser necessário, dependendo do grau de esgotamento de outras capacidades do SNS».

O Ministro disse ainda que existem também «espaços de retaguarda que estão a ser montados em vários locais» como por exemplo, «na Base Naval do Alfeite, que comportarão a possibilidade de receber doentes em muito maior número, sobretudo doentes que não precisem de um elevado número de cuidados muito intensivos», referindo-se às cerca de 840 camas disponíveis nos centros de acolhimento constituídos em várias unidades militares. 


Forças Armadas têm cooperado ativamente «desde a primeira hora»


A Ministra da Saúde, por sua vez, disse que a ajuda das Forças Armadas «é essencial para o trabalho que o SNS precisa de continuar a fazer e para aquele que tem sido feito».

Marta Temido destacou ainda o facto de as Forças Armadas terem cooperado ativamente, «desde a primeira hora», com o SNS, «quer o polo do Porto, quer o polo de Lisboa, quer a parte hospitalar, quer outras componentes de apoio em planeamento, em logística, em apoio à realização de inquéritos epidemiológicos».

Em Lisboa e no Porto, o HFAR já recebeu cerca de 500 doentes com covid-19 desde março. Para já haverá um reforço de 32 novas camas de internamento e de cuidados intensivos para doentes com Covid-19 provenientes do SNS.