Saltar para conteúdo

Notícias

2021-02-16 às 10h26

Estados-membros devem estar «totalmente focados nos planos nacionais de recuperação»

Ministro de Estado e das Finanças, João Leão, no vídeo divulgado na reunião de Ministros das Finanças da União Europeia (Ecofin), Lisboa, 16 fevereiro 2021

O Ministro de Estado e das Finanças, João Leão, afirmou que este é «o momento de os Estados-membros canalizarem toda a atenção» para apresentarem os seus planos nacionais de recuperação e resiliência.

Numa declaração à entrada para uma reunião virtual de Ministros das Finanças da União Europeia (Ecofin), em Lisboa, João Leão referiu que o pacote de recuperação da economia europeia está agora mais perto de ser concretizado:

«Foi dado um passo importante na semana passada: o presidente do Parlamento Europeu e o Primeiro-Ministro António Costa assinaram o regulamento deste plano, o que permite que a partir do final desta semana os planos nacionais de recuperação possam ser formalmente apresentados», disse, acrescentando que «o pontapé de saída está dado, e agora é o momento de os Estados-membros canalizarem toda a atenção para a apresentação de planos que promovam o crescimento sustentável e socialmente inclusivo».

Recorde-se que a presidência portuguesa do Conselho da União Europeia tem insistido na necessidade de os Estados-membros serem céleres na elaboração e apresentação dos respetivos planos nacionais. Portugal é dos Estados-membros que tem o processo mais avançado, tendo na última madrugada colocado a versão preliminar e resumida do Plano de Recuperação e Resiliência (PRR) em consulta pública, por um prazo de duas semanas, esperando entregar a versão final ao executivo comunitário dentro de sensivelmente três semanas.

Numa mensagem de vídeo divulgada no arranque da reunião, o Ministro disse que «a Europa continua no meio de uma terceira vaga da pandemia muito intensa» e «a incerteza global ainda é muito elevada», pelo que é necessário continuar a apoiar a economia.

«Não podemos comprometer os esforços empreendidos até agora com uma retirada prematura das medidas de apoio», acrescentou.