Saltar para conteúdo

Notícias

2021-05-31 às 16h39

Espaço Europeu da Educação vai apoiar crescimento económico e oportunidades de emprego

O Ministro da Educação, Tiago Brandão Rodrigues, afirmou que o Espaço Europeu da Educação «permitirá que os Estados-membros e as partes interessadas cooperem para que uma educação e formação de elevada qualidade, inovadoras e inclusivas se tornem realidade em todos os Estados e regiões da União Europeia».

No debate na comissão de Cultura e Educação do Parlamento Europeu sobre o Espaço Europeu de Educação, no qual participou por videoconferência, Tiago Brandão Rodrigues acrescentou que o Espaço Europeu da Educação vai apoiar «o crescimento económico e as oportunidades de emprego de elevada qualidade, bem como o desenvolvimento pessoal, social e cultural».

«Permitirá aos cidadãos prosseguir os seus estudos, procurar emprego, investigar e viver, em diferentes fases da vida, em todo o espaço da União», referiu.

A concretização do Espaço Europeu da Educação é uma das prioridades da presidência portuguesa do Conselho da União Europeia e o Ministro destacou que foi adotada, em fevereiro, uma resolução sobre um quadro estratégico para a cooperação europeia no domínio da educação e da formação rumo ao Espaço Europeu da Educação e mais além (2021-2030).

A resolução assenta em cinco áreas estratégicas: melhorar a qualidade, a equidade, a inclusão e o sucesso de todos em matéria de educação e formação; reforçar a aprendizagem ao longo da vida e a mobilidade para todos; reforçar a competência e a motivação dos profissionais do ensino; reforçar o ensino superior europeu; apoiar a transição ecológica e digital na educação.

Brandão Rodrigues sublinhou que este documento «irá orientar e apoiar a cooperação europeia em matéria da educação e formação até 2030, para além de contribuir para a concretização do Espaço Europeu da Educação até 2025».

«Juntos precisamos de refletir de forma ainda mais aprofundada que conduza a um acordo construtivo, até ao final do ano, sobre qual a estrutura e o mecanismo de governança que melhor poderão servir para coordenar os trabalhos e orientar o desenvolvimento do novo quadro estratégico, incluindo com vista à concretização do Espaço Europeu da Educação», acrescentou.

A implementação do Plano de Ação do Pilar Europeu dos Direitos Sociais, debatido durante a Cimeira Social do Porto, contemplará inequivocamente «o direito de todas as pessoas a uma educação, a uma formação e a uma aprendizagem ao longo da vida inclusivas e de qualidade».

«Hoje em dia, inclusive no que será o rescaldo da crise pandémica, todos os indivíduos, ao longo de toda a sua vida, têm de estar munidos com as aptidões, as competências, as atitudes e os conhecimentos adequados para prosperar num mundo em rápida mudança e para enfrentar as transformações atuais e futuras na sociedade e na economia, incluindo no mercado de trabalho», disse.