Saltar para conteúdo

Notícias

2019-11-25 às 12h46

Dia Mundial da Língua Portuguesa é marco importante para 263 milhões de pessoas

Primeiro-Ministro António Costa assina o Livro de Honra na sede da UNESCO, Paris, 25 novembro 2019 (Foto: Paulo Vaz Henriques)
«O reconhecimento pela UNESCO do dia 5 de maio como Dia Mundial da Língua Portuguesa, que a conferência geral da organização ratifica hoje, é um marco importante», afirmou o Primeiro-Ministro António Costa numa declaração à imprensa após ter-se reunido com a diretora-geral da UNESCO, Audrey Azoulay, em Paris.

A Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO, na sigla inglesa) tem na ordem de trabalhos da 40.ª reunião da sua Conferência Geral a proclamação de um dia mundial da língua portuguesa, tendo o Conselho executivo recomendado a sua proclamação e o dia 5 de maio como data.

O Primeiro-Ministro afirmou que esta proclamação «é o reconhecimento da dimensão global de uma língua que é falada oficialmente em nove países e por mais de 263 milhões de pessoas», que «é hoje a quinta língua mais usada na Internet e com cada vez maior presença quer no domínio cultural quer no científico». 

António Costa disse ainda que «a afirmação da língua portuguesa como língua global é uma prioridade fundamental da política externa portuguesa». 

O Primeiro-Ministro agradeceu à Diretora-Geral da UNESCO o seu apoio nesta decisão, numa reunião em que estiveram também presentes a Secretária de Estado das Comunidades Portuguesas, Berta Nunes, e os Embaixadores dos países lusófonos.

A criação do Dia Mundial da Língua Portuguesa «é um passo muito importante para os 260 milhões de pessoas que têm o português como língua oficial», disse, acrescentando que «é a língua mais falada no hemisfério Sul» e que a sua «cuja dinâmica demográfica vai ter um certo crescimento no final do século».

Homenagem a Cargaleiro

António Costa participou também na homenagem ao artista plástico Manuel Cargaleiro que recebe hoje a Ordem de Mérito Cultural portuguesa e a medalha Grand Vermeil da Câmara Municipal de Paris, onde se realiza a cerimónia.

Antes da cerimónia, o Primeiro-Ministro esteve presente na inauguração do mural do artista português Manuel Cargaleiro, na estação de metro Champs Élysées–Clémenceau. Em ambas as cerimónias esteve também presente a Ministra da Cultura, Graça Fonseca.