Saltar para conteúdo

Notícias

2020-09-01 às 13h38

Descarregar a aplicação Stayaway Covid «é um dever cívico»

Apresentação da aplicação Stayaway Covid, Porto, 1 setembro 2020
Primeiro-Ministro António Costa na apresentação da aplicação StayAway Covid, Porto, 1 setembro 2020
O Primeiro-Ministro, António Costa, afirmou que a utilização da nova aplicação Stayaway Covid «é um dever cívico», ainda que o seu uso seja de natureza voluntária.
 
«Um dos elementos mais perigosos na transmissão da Covid-19 é que a generalidade das pessoas infetadas - pelo menos até agora - muitas vezes, por não terem sintomas, não dão por isso, pelo que é fundamental que todos possamos alertar os outros», disse o Primeiro-Ministro, na apresentação pública deste novo recurso de rastreio voluntário e gratuito, que decorreu no Porto.
 
António Costa disse que, caso algum dia esteja infetado, fará «imediatamente essa comunicação» na aplicação para alertar todos os que estiveram com ele nos 14 dias anteriores.
 
«Eu também agradeço a todos aqueles que tenham estado comigo» o façam, caso estejam infetados, acrescentou.
 
O Primeiro-Ministro destacou a segurança da nova aplicação, uma vez que a comunicação do utilizador em caso de infeção só poderá ser feita mediante um código disponibilizado pelos médicos, prevenindo assim «falsos alertas».
 
Numa altura em que as escolas se preparam para abrir e o movimento de pessoas vai aumentar - a par da chegada do outono e do inverno - António Costa relembrou que a quebra das cadeias de transmissão depende de cada um reforçando a mensagem de que todos os portugueses «são agentes de saúde pública». 
 
Esta é «a única forma de garantir que não vamos voltar ao que passámos em março e abril» nem «prejudicar os jovens» que retomam agora o ensino presencial ou as pessoas que retomam a sua atividade profissional, afirmou ainda.
 
Arranque do ano letivo é «uma oportunidade particularmente importante»
 
O Ministro da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, Manuel Heitor, afirmou que a utilização da aplicação Stayaway Covid é «um exercício de responsabilidade cívica» e apelou a todos os estudantes do Ensino Superior - que agora iniciam o ano académico presencialmente - a sua utilização massiva.
 
«O arranque do ano letivo é uma oportunidade particularmente importante» para a utilização da Stayaway Covid, disse Manuel Heitor.
 
Na sua intervenção, o Ministro referiu também o trabalho do consórcio que desenvolveu a Stayaway Covid, composto pelo Instituto de Engenharia de Sistemas e Computadores, Tecnologia e Ciência, liderado pela Direção-Geral de Saúde e em sintonia com a Comissão Nacional de Proteção de Dados e o Gabinete Nacional de Cibersegurança, que realizou os testes para o bom funcionamento da aplicação.
 
Acelerar «o trabalho de saúde pública»
 
A Ministra da Saúde, Marta Temido, destacou o facto de a aplicação acelerar «o trabalho da saúde pública», sendo também «um exercício de responsabilidade e solidariedade».
 
A Ministra apelou à tranquilidade, caso o utilizador seja notificado que esteve em contato com alguém infetado.
 
«O facto de ter havido exposição não quer dizer que haja infeção» disse a Marta Temido, explicando que a aplicação reconhece como contato de risco a proximidade de menos de dois metros com alguém infetado e durante mais de 15 minutos.