Saltar para conteúdo

Notícias

2021-06-01 às 18h39

Componente de videovigilância é fundamental para proteção de incêndios

Vigilância e deteção de incêndios florestais
A Secretária de Estado da Administração Interna, Patrícia Gaspar, afirmou que «a componente da videovigilância é uma parte fundamental da dimensão que tem a ver com a vigilância e proteção dos incêndios».

Em Cantanhede, na sessão de anúncio do projeto conjunto de videovigilância das comunidades intermunicipais da Região de Coimbra e Viseu Dão Lafões, a Secretária de Estado afirmou que a videovigilância «permite reforçar a capacidade de monitorização de todo o território florestal e rural do País e permite, sobretudo, detetar mais cedo as ocorrências de incêndios rurais».

«Os incêndios começam todos de pequena dimensão. Quanto mais cedo for conseguida esta deteção, mais eficaz vão ser os meios de combate, mais fácil será combater estes incêndios», acrescentou.

Patrícia Gaspar disse ainda que este sistema de videovigilância das regiões de Coimbra e Viseu é um dos 11 sistemas que Portugal tem «já implementados ou em fase de implementação».

O sistema, que tem um custo total de 3,87 milhões de euros, financiados a 75% por fundos europeus, inclui, entre outros, as 37 torres e igual número de sistemas de deteção e 39 centros de gestão e controle.

O projeto envolve também os comandos distritais de operações de socorro (CDOS) de Aveiro, Coimbra, Viseu e Guarda, a GNR, Proteção Civil e Instituto de Conservação da Natureza e Florestas (ICNF).