Saltar para conteúdo

Notícias

2020-06-20 às 23h56

«A melhor forma de sermos solidários é todos cumprirmos as regras»

O Primeiro-Ministro, António Costa, afirmou que a melhor forma de solidariedade e de retoma é todos cumprirem as regras e que, se for necessário, «daremos passos atrás no desconfinamento» ainda que isso dependa, «sobretudo do comportamento individual de cada um de nós».

António Costa falava no Teatro São Luiz, em Lisboa, onde assistiu a um concerto inserido no festival solidário «Regresso ao Futuro».

«Se todos cumprirmos as regras, nós podemos ir recuperando a nossa liberdade e esse é o percurso que nós temos que seguir, porque não é só a perda da liberdade, é a destruição de rendimentos, de empregos, de atividades», disse, acrescentando que todas as pessoas se podem sentir seguras «em qualquer sítio desde que as regras sejam cumpridas».

O Primeiro-Ministro disse que era sabido que «se aumentássemos o desconfinamento o risco de contágio aumentaria», mas o «que nós temos vindo a verificar é que a taxa de contágio têm-se mantido essencialmente estável».

Aquilo que acontece, referiu também, é «um crescimento muito localizado à volta da cidade de Lisboa e em alguns concelhos e em algumas freguesias desses concelhos«, ou seja, «focos bastante localizados».

António Costa afirmou que festas «como a de Lagos», «a falta de cuidado como aconteceu naquele lar» ou «os ajuntamentos como ontem aconteceram na praia de Carcavelos ou nas docas em Lisboa» são «comportamentos que podem dar mau resultado».

«Temos que tratar da saúde - da nossa e de todos aqueles que nos rodeiam - mas temos que tratar de criar as condições para que a normalidade da vida possa regressar, os empregos possam ser mantidos, os rendimentos possam ser recuperados e, para que isso aconteça, é fundamental ninguém relaxar», disse ainda.