Saltar para conteúdo

Intervenções

2020-10-28 às 17h13

Artigo da Secretária de Estado dos Negócios Estrangeiros e da Cooperação na edição de outubro da revista da Plataforma Portuguesa das ONGD

No final de 2020 terminará a vigência do atual Conceito Estratégico da Cooperação Portuguesa 2014-2020, instrumento que enquadra as prioridades nacionais de intervenção nas áreas da Cooperação para o Desenvolvimento, Educação para o Desenvolvimento e Ajuda Humanitária e de Emergência.

Impõe-se, pois, delinear uma nova estratégia, que, enquanto interpreta as mudanças entretanto ocorridas na área do Desenvolvimento, a nível nacional e internacional, é capaz de apresentar respostas a desafios emergentes, para isso identificando caminhos renovados, quando não inovadores.

É perante esta realidade que estamos já a trabalhar na elaboração da nova Estratégia da Cooperação Portuguesa para o período de 2021-2030, escolhendo-se agora para o seu termo aquele que é igualmente o da Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável (Agenda 2030), não apenas por se tratar de instrumento internacional de referência em matéria de desenvolvimento, mas igualmente porque resultou de um momento de particular relevância do multilateralismo, indispensável para lidar com os desafios que a interdependência que hoje carateriza o mundo em que vivemos inevitavelmente coloca. Reafirma-se, assim, a sua valia substantiva, do mesmo passo sublinhando a importância do compromisso com a dimensão multilateral.

A futura Estratégia da Cooperação Portuguesa permanecerá plenamente alinhada com aquelas que são as diretrizes estruturantes da política externa portuguesa, assentes num amplo consenso nacional entre as principais forças políticas e a sociedade civil, que deve ser olhado como uma clara mais valia, também para a prossecução dos objetivos da nossa Cooperação.

Leia o artigo na íntegra em anexo.