Saltar para conteúdo

Comunicados

2021-05-04 às 15h48

Ministra da Cultura lamenta morte de Julião Sarmento

A Ministra da Cultura, Graça Fonseca, lamenta profundamente a morte do artista plástico Julião Sarmento (1948-2021), um dos mais internacionais artistas portugueses, com um percurso pioneiro e inovador nas artes visuais em Portugal na segunda metade do século XX.

Natural de Lisboa e formado em arquitetura na Escola Superior de Belas Artes de Lisboa, começou o seu percurso artístico na década de setenta, atento às principais correntes da arte internacional, revolucionando a arte portuguesa desde os primeiros momentos em que começou a expor. Esta foi, aliás, uma característica transversal à obra de Julião Sarmento, a sua capacidade de reinvenção e de, a cada fase, ser permanentemente moderno e vanguardista.

Artista de uma importância ímpar nas artes plásticas portuguesas, a sua projeção no circuito internacional foi fundamental para abrir portas a muitos outros artistas plásticos portugueses e para dar a conhecer, no estrangeiro, a arte portuguesa da segunda metade do século XX. Ao longo do seu percurso soube sempre estar atento às novas gerações de artistas, num processo em que influenciou, mas, também, se soube deixar influenciar.

Julião Sarmento foi, desde o primeiro momento, a presença disruptiva e renovadora que a arte portuguesa pedia na década de setenta, alcançando cedo um grande destaque e projeção no panorama nacional e internacional. Aliás, com sua presença na VII Documenta de Kassel, em 1982, onde participou com um conjunto de pinturas sobre papel, intituladas "Noites Brancas", Julião Sarmento tornou-se no artista português de maior circulação internacional.

Artista multifacetado, que recorreu tanto à pintura como ao desenho, à escultura, ao vídeo e ao som, muitas vezes em diálogo com a literatura, o cinema, a música e a arquitetura, Julião Sarmento construiu um trabalho no qual o corpo e o desejo, num erotismo simbólico e subtil, são o grande motor da sua obra e da sua criatividade que continuadamente nos encanta e choca, que nos convida a olhar e partilhar o fascínio do artista com um erotismo sempre consequente, alusivo e carregado de significado.

Com um percurso amplamente reconhecido e premiado, tanto em Portugal como no estrangeiro, Julião Sarmento está representado em grandes coleções internacionais e nacionais, incluindo a Coleção de Arte Contemporânea do Estado.

À família e amigos enviam-se sentidas condolências.

Graça Fonseca
4 de maio
Tags: arte, pintura
Áreas:
Cultura