Relações luso-britânicas devem manter-se o mais próximas possível após o Brexit - XXI Governo - República Portuguesa

Notícias

2018-04-10 às 22h13

Relações luso-britânicas devem manter-se o mais próximas possível após o Brexit

Primeiro-Ministro, António Costa, com a sua homóloga britânica, Theresa May, Londres, 10 abril 2018
«O desejo que temos é que, depois do Brexit, as relações económicas entre Portugal e o Reino Unido se continuem a desenvolver, não só como parceiros comerciais, que já têm um nível muito elevado, mas – sobretudo - ao nível do investimento, para além de continuarmos a contar com o Reino Unido como principal mercado emissor de turismo», afirmou o Primeiro-Ministro, António Costa.

Estas declarações foram feitas após uma reunião do Primeiro-Ministro com a sua homóloga britânica, Theresa May, em Londres, a propósito da saída do Reino Unido da União Europeia e do impacto que esta situação terá nos cidadãos portugueses residentes neste país, bem como nos britânicos que residem e visitam Portugal.

«Queremos que as relações entre Portugal e o Reino Unido possam ser o mais próximas possível, em particular, no domínio da cooperação nas áreas da ciência e da investigação científica, no ensino superior e nas relações económicas», sublinhou António Costa, lembrando que o investimento britânico no País quintuplicou em 2017, face a 2016.

Salvaguarda dos direitos dos cidadãos

António Costa disse também que esta visita tem, como principal objetivo, «assegurar a continuidade das relações futuras com o Reino Unido e a salvaguarda dos direitos, seja dos britânicos residentes em Portugal, seja dos portugueses residentes no Reino Unido», num encontro com a comunidade portuguesa residente neste país.

«Tenho a certeza de que os portugueses que estão no Reino Unido, ou que venham para o Reino Unido, continuarão a ser muito bem-vindos neste país, onde a vossa comunidade tem contribuído para o prestígio de Portugal», realçou o Primeiro-Ministro, acrescentando que, «obviamente, aqueles que têm saudades de casa e querem voltar são também muitíssimo bem-vindos».

Theresa May agradeceu o contributo que os portugueses dão, todos os dias, para o desenvolvimento do Reino Unido. Segundo dados oficiais, residem cerca de 400 mil portugueses neste país. 

Criação de emprego qualificado

Numa intervenção, num jantar do Centro Português de Estudos, António Costa lembrou a oportunidade que o Brexit representa na atração de investimento para Portugal, referindo a «rede absolutamente extraordinária» dos cinco milhões de portugueses e lusodescendentes no mundo.

«É, não só, uma rede de conhecimento dos mercados importante para as nossas exportações, como são prescritores de investimento em Portugal. E muitos são empresários ou gestores de grandes empresas, que podem tomar decisões que são relevantes para o País», disse o Primeiro-Ministro.

António Costa afirmou que «o grande esforço, que é prioritário fazer nos próximos anos, é promover o encontro entre a enorme disponibilidade de recursos humanos que o País hoje tem e a procura de recursos humanos que o tecido empresarial está a fazer».

Fora da União Europeia, dentro da Europa

«Como tenho dito várias vezes, o Reino Unido sai da União Europeia, mas não sai da Europa», disse ainda o Primeiro-Ministro, reafirmando que este país «continua a ser um vizinho, um aliado, um parceiro económico e um amigo de Portugal». 

António Costa acrescentou: «A relação entre Portugal e o Reino Unido é muito anterior à existência da União Europeia, e continuará a ser uma ótima relação após o Reino Unido sair da União Europeia».

«A futura relação do Reino Unido com a União Europeia deve ser o mais próxima possível», concluiu o Primeiro-Ministro. O Reino Unido vai deixar a União Europeia a 29 de março de 2019.