«O Governo vai usar todos os meios necessários para garantir a segurança dos portugueses» - XXI Governo - República Portuguesa

Notícias

2018-04-16 às 18h29

«O Governo vai usar todos os meios necessários para garantir a segurança dos portugueses»

Ministro da Administração Interna, Eduardo Cabrita, na reunião da Comissão Nacional de Proteção Civil, Lisboa, 16 abril 2018
«O Governo vai usar todos os meios necessários para garantir, nos termos da lei, a segurança dos portugueses», afirmou o Ministro da Administração Interna, Eduardo Cabrita, em Lisboa, após a reunião da Comissão Nacional de Proteção Civil, que aprovou a Diretiva Operacional Nacional, que estabelece o dispositivo de combate a incêndios para 2018.

«Garanto que vamos ter aquilo que nunca tivemos», acrescentou o Ministro, referindo: «Vamos ter helicópteros e aviões disponíveis todo o ano. Neste momento, estão já adjudicados esses helicópteros e aviões que vão estar ao serviço dos portugueses todo o ano». 

Eduardo Cabrita disse ainda: «Estamos a tratar da contratação daqueles meios aéreos que apenas são necessários durante parte do ano».

Reforço do modelo de resposta a incêndios

Referindo-se à nova Diretiva Operacional Nacional, o Ministro sublinhou que «foi criado um modelo reforçado, com maior ligação entre os vários agentes de combate aos incêndios rurais, além de se estabelecer um sistema de prontidão que pode ser acionado sempre que necessário».

«Este dispositivo permanente vai permitir a mobilização de meios adicionais sempre que existam indicações meteorológicas de elevado risco de incêndio», afirmou também Eduardo Cabrita.

O Ministro disse ainda que, «este ano, há duas grandes áreas de reforço no que toca aos meios humanos, designadamente a participação dos bombeiros voluntários e do Grupo de Intervenção de Proteção e Socorro (GIPS) da GNR em todo o País, que vão trabalhar em articulação com a Força Especial de Bombeiros». Por outro lado, foram criadas unidades de ataque ampliado e estruturas de apoio aéreo, que vão estar localizadas em Mirandela, Viseu, Aveiro e Loulé, como elementos dos GIPS.

Nova Diretiva Operacional Nacional

Mantendo o calendário, a nova Diretiva prevê a substituição das atuais fases para níveis de prontidão. Assim, o combate aos fogos passa a estar organizado entre o permanente e o reforçado, dividido por quatro níveis de prontidão.

A nova Diretiva prevê ainda que os meios vão ser reforçados em todos os períodos do ano, sendo nos meses de junho e outubro que se vai notar maior aumento. A fase até agora denominada Charlie, entre 1 de julho e 30 de setembro, mantém a maior mobilização de meios: 10767 elementos, 2463 veículos e 55 meios aéreos. Este período passa a denominar-se «reforçado nível IV».

A nova Diretiva prevê também que passem a estar disponíveis, entre 1 de janeiro e 14 de maio, e entre 1 de novembro e 31 de dezembro, 20 meios aéreos, seis dos quais do Estado e 14 alugados.