Intervenção inicial do Ministro das Finanças no debate na especialidade da proposta de Orçamento do Estado para 2019 na Assembleia da república - XXI Governo - República Portuguesa

Intervenções

2018-11-16 às 11h20

Intervenção inicial do Ministro das Finanças no debate na especialidade da proposta de Orçamento do Estado para 2019 na Assembleia da república

O contexto económico em que a proposta de Orçamento do Estado para 2019 surge é singular e importante. A sua singularidade e importância estão associadas à continuidade que temos dado ao melhor momento da economia e sociedade portuguesa em mais de duas décadas.

A esta singularidade não se pode seguir uma outra, de exuberância irracional, para citar uma ideia associada às abruptas flutuações de humor das economias. Este momento não pode estar associado a alterações na direção assumida ao longo da legislatura.

A devolução de rendimentos, geração de um clima de confiança empresarial e social e criação de melhor emprego para todos esteve sempre de mãos dadas com a responsabilidade orçamental.

E o caminho percorrido ao longo da legislatura apresenta um crescimento de mais de 3 mil milhões de euros com as despesas com prestações sociais. Os impostos diretos pagos pelas famílias cairão mil milhões de euros na comparação do primeiro ano da legislatura com o último.

A confiança de consumidores e empresas está nos máximos deste século e a criação de 380 mil postos de trabalho é uma realidade que reduz para metade a taxa de desemprego.

O crescimento da economia, a solidez do mercado de trabalho, a estabilização do sistema financeiro e a saúde das contas públicas são pilares sobre os quais foi construído o Programa de Governo.

O crescimento económico dos últimos anos trouxe a produção em Portugal para um novo máximo histórico: no segundo trimestre de 2018 o PIB atingiu 45 879 milhões de euros, produzimos mais do que em qualquer outro trimestre na história da economia portuguesa. Batemos, Sr. Deputados, mais um recorde!

Leia a intervenção na íntegra