Investimento, 15 março 2017
 
2017-03-15 às 19:26

BOA INSERÇÃO DA REDE GLOBAL DE VALOR É FUNDAMENTAL PARA A COMPETITIVIDADE DE PORTUGAL

«Hoje, para sermos competitivos, temos de ter aquilo que são os fatores fundamentais da competitividade», afirmou o Primeiro-Ministro António Costa, referindo a «boa capacidade de inserção na rede de valor global», os «bons recursos humanos», e a «boa capacidade de inovação».

O Primeiro-Ministro discursava na inauguração do novo centro tecnológico da Euronext, no Porto, onde funcionam as áreas de desenvolvimento de sistemas e segurança de informação anteriormente sediadas em Belfast, Irlanda do Norte, Reino Unido, e que vai criar 120 empregos.

António Costa explicou que é pela necessidade de Portugal estar bem inserido na rede global de valor que tem de se manter no pelotão da frente, no núcleo duro ou na linha da frente da construção da União Europeia.

«Temos e devemos estar no projeto europeu», porque o «projeto europeu é aquele que permite que tenhamos aqui no Porto um Centro Tecnológico que dá suporte à Bolsa em Portugal, em Paris, em Amesterdão, em Bruxelas (…) e serviços globais para todo o mundo».

«Quando se discute se a Europa vai ter geometrias variáveis ou se vai ter várias velocidades, algo que nós sabemos é que qualquer que seja a velocidade, qualquer que seja a geometria, Portugal e o Porto estarão nessa velocidade e estarão nessa geometria», disse.

O Primeiro-Ministro disse também que a cidade do Porto, não é apenas o melhor destino turístico europeu, mas também a cidade destino para altos investimentos.

Para estes investimentos contribui o conhecimento que existe nas instituições de ensino superior da região, como as Universidades do Porto, Aveiro, Minho, Instituto Superior de Engenharia do Porto, a Universidade Católica do Porto e a Escola de Negócios do Porto (Porto Business School).

Razões da escolha

A Bolsa de Lisboa foi um dos membros fundadores da Euronext (plataforma que reúne as bolsas de Lisboa, Paris, Amesterdão e Bruxelas) há 15 anos e desde então, com a sua integração no grupo Euronext, o peso dos investidores estrangeiros nas transações aumentou para cerca de 70%.

O centro tecnológico da Euronext vai empregar 120 trabalhadores. A Euronext tinha já no Porto a central de valores mobiliários Interbolsa, com 50 funcionários.

A empresa justificou a decisão com a qualidade dos trabalhadores portugueses e da sua formação, tendo o processo de formação dos 115 trabalhadores recrutados para o centro tecnológico sido muito mais fácil e rápido do que o previsto, disse o presidente do Conselho de Administração da Euronext, Stephane Boujnah.

A escolha foi também feita devido às universidades existentes na região, nomeadamente na área da engenharia e das tecnologias da informação, e ao apoio das autoridades locais e do Governo.

O objetivo da Euronext para Portugal é tornar-se mais relevante na atração para a bolsa dos atores da economia portuguesa.

Também é intenção da empresa aumentar as iniciativas ligadas às empresas de caráter familiar, para as quais a possibilidade de cotação em bolsa pode ser uma forma assegurar liquidez e transparência.

 

Foto: Primeiro-Ministro António Costa na inauguração do novo centro tecnológico da Euronext, Porto, 15 março 2017

Tags: primeiro-ministro, investimento, competitividade, união europeia, ensino superior