Startups Portugal, 8 março 2016
 
2016-03-08 às 18:12

«O QUE FIZEMOS NA STARTUP LISBOA TEMOS QUE FAZER PARA A STARTUP PORTUGAL»

O Primeiro-Ministro inaugurou a nova sede da Uniplaces, uma empresa criada em 2011 que foi a primeira a instalar-se na Startup Lisboa. Esta empresa é um caso exemplar, razão pela qual António Costa a escolheu para apresentar as grandes linhas do Programa Startup Portugal.

Sobre este programa, o Primeiro-Ministro explicou que se baseia numa «ideia muito simples: O que fizemos na Startup Lisboa temos que fazer para a Startup Portugal», pelo que o apoio às startups é uma prioridade do Governo.

A Startup Portugal é uma estratégia nacional para o empreendedorismo, que visa responder às necessidades das iniciativas empresariais e dos empreendedores desde o primeiro dia: desde a semente passando pela incubação e aceleração e toca ainda no investimento internacional e nos clientes internacionais.

Para isto, o Governo pretende criar um ecossistema de empreendedorismo em Portugal, fazendo do País o espaço ideal para «criar, testar, falhar e voltar a tentar». «Para cada má notícia é preciso uma boa iniciativa», afirmou António Costa.

Afirmando que «temos que aproveitar as ideias que criem riqueza», o Primeiro-Ministro acrescentou que «cada ideia deve ter liberdade para florescer e fazer crescer o emprego e a economia», para o que «temos que derrubar barreiras e criar liberdade de ideias».

Objetivos e medidas

A estratégia Startup Portugal tem como principais objetivos:

  • Criar um ecossistema de empreendedorismo à escala nacional
  • Atrair investidores nacionais e estrangeiros para investirem em startups
  • Cofinanciar startups, sobretudo na fase de ideia
  • Promover e acelerar o crescimento das startups nos mercados externos
  • Implementar as medidas do Governo de apoio ao empreendedorismo

A estratégia inclui 15 medidas de apoio ao empreendedorismo, entre as quais se contam medidas fiscais, de simplificação, de apoio, de financiamento, de atração de investigadores, fabricantes e investidores, e de promoção externa.

O Primeiro-Ministro afirmou que «cada uma daquelas medidas visa que cada boa ideia que surja se possa tornar numa boa empresa no futuro».

«Temos que criar condições para atrair capital, pessoas, talento, abrir mercados, criar condições e romper limitações administrativas para testar o que é novo», acrescentou.

A aplicação, fiscalização e coordenação destas 15 medidas da estratégia Startup Portugal são da responsabilidade da sociedade de capital de risco Portugal Ventures.

Esta sociedade que foca a sua política de investimento em projetos inovadores de base científica e tecnológica, bem como em empresas com projetos de expansão internacional, tem as suas competências alargadas, deixando de estar apenas focada no investimento e passando a focar-se em ativar e promover ecossistema.

A Uniplaces, fundada em 2011, foi a primeira empresa a instalar-se na Startup Lisboa. Trata-se de uma empresa que arrenda casas a universitários em várias cidades europeias e que os seus fundadores esperam fazer da empresa a referência mundial no alojamento universitário.

A empresa tem 130 trabalhadores, dos quais 120 em Lisboa, quando no início de 2015 tinha 40. Os seus fundadores tencionam torná-la a primeira startup baseada em Portugal avaliada em mais de mil milhões de dólares (o que se chama, na gíria das novas empresas um unicórnio).

 

Foto: Primeiro-Ministro António Costa apresenta a Estratégia Startup Portugal na inauguração da nova sede da empresa Uniplaces, Lisboa, 8 março 2016

Tags: primeiro-ministro, emprego, inovação, empresas, startup portugal

INTERVENÇÕES

DOCUMENTOS

COMUNICADOS

CONTACTOS

Entrar em contacto